Segurança

quinta-feira, 27 de março de 2014 às 23:18

Acidente aéreo causa morte de piloto agrícola

A programação era para que aquele voo, às 18h30min de quarta-feira, fosse o último do dia para o piloto Éverton Alan Roos, 26 anos. Foi o último da vida dele.

foto da capa

Crédito: FRANCISCO BOSCO

Roos seria pai no próximo mês

Crédito: DIVULGAÇÃO

Monomotor estava indo em direção à pista de pouso

Crédito: FRANCISCO BOSCO

O avião agrícola que ele conduzia caiu em um bosque de eucaliptos, a cerca de 80 metros da estrada dos Fontouras, em Dom Pedrito e incendiou. 
Os funcionários da Cabanha A Tala, local onde o monomotor caiu, escutaram um barulho muito alto, logo em seguida perceberam que havia um incêndio. Ao verificarem do que se tratava, encontraram o avião incendiando e Roos já sem vida, ao solo. Os bombeiros de Dom Pedrito foram chamados e apagaram os focos de incêndio que se alastraram pelo bosque. A Brigada Militar pedritense também atendeu à ocorrência, resguardando o local até a chegada do Instituto Geral de Perícias (IGP). 
O dono da empresa, Luiz Cláudio Zaques, também estava trabalhando no município e conta que estavam pulverizando plantações de soja: "Achamos estranho, pois ele estava no último voo e demorava para retornar. Ligamos e ele não atendia. Fomos procurar e descobrimos que o avião havia caído. Tenho anos de profissão e nunca havia passado por uma perda como esta", lamenta. 
 
A investigação
A Polícia Civil irá investigar o que causou a morte do piloto e o V Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa), órgão ligado à Aeronáutica, vai averiguar o que aconteceu no avião para ter sofrido a queda. De acordo com a assessoria de imprensa do Seripa, há, também, a realização de uma investigação para prevenção. Eles coletam as informações e analisam os componentes que restaram do monomotor e estudam os fatores que contribuíram para o acidente, para que outras tragédias não aconteçam no futuro. Os investigadores já estiveram no local do acidente na manhã de ontem.
Como o Instituto Geral de Perícias (IGP) não coleta material nesse meio de transporte, a Polícia Civil também necessita dos resultados da averiguação do Seripa para concluir o inquérito. As testemunhas devem começar a ser ouvidas pelos policiais na próxima semana. A investigação será coordenada pelo delegado Luís Eduardo Benites. 
O dono da empresa afirma que o avião era homologado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e não havia apresentado nenhum sintoma de pane antes do acidente. A empresa é de Mata, na região central do Estado.
 
A vítima
Roos era natural de São Borja, mas morava em Itaqui, com a namorada, que está grávida de oito meses. Ele se formou como piloto agrícola em julho de 2013 e possuía o brevê para conduzir aviões. O corpo dele foi velado na cidade em que morava. Pelas redes sociais, a vítima demonstrava sua paixão por aviação, com muitas fotos de seu trabalho no ar. 
 


Por: Fernanda Couto

Pesquisar