ANO: 25 | Nº: 6310

Airton Gusmão

redacaominuano@gmail.com
Pároco da Catedral
14/04/2017 Airton Gusmão (Opinião)

Páscoa: celebração do amor e da esperança

“Este é o dia que o Senhor fez para nós, alegremo-nos e nele exultemos” (Sl 117,24).

Celebramos neste domingo próximo a grande festa cristã, na solenidade da Páscoa; novamente renovamos a nossa fé na Ressurreição do Senhor para que um dia também “ressuscitemos na luz da vida nova”. Ao proclamarmos que Ele vive e está ressuscitado em nosso meio, professamos o grande amor de Deus pela humanidade e neste amor revelado por Cristo está também a nossa esperança. A festa da Páscoa é, verdadeiramente, a festa do amor de Deus que no seu Filho trouxe esperança e vida nova a todos. Como nos diz o evangelho de João: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3,16); de fato, é o “amor que faz a festa da Páscoa” porque Jesus amou-nos até o fim, passou da morte à vida e neste gesto de doação total abriu para nós as portas da eternidade. A nossa esperança cristã, brota deste amor de Cristo e, por isso, somos chamados a viver já como ressuscitados, na certeza de que pelo amor de Cristo derramado na Cruz, nem o pecado, o sofrimento, a angústia e nem mesmo a morte podem nos separar de Deus.

No quadro dos acontecimentos da Páscoa, esta é a mensagem que grita do túmulo vazio, sinal essencial da Ressurreição: quando Maria Madalena e depois os dois discípulos foram até o sepulcro de Jesus, ainda estavam tristes pela morte trágica do mestre, ainda não acreditavam na sua Ressurreição; mas ao verem o túmulo vazio e os lençóis no chão compreenderam que a Ressurreição era o “sim” de Deus a todo bem que Jesus havia anunciado e realizado. Como afirma São Paulo: “(...)se Cristo não ressuscitou, então em vão é a nossa pregação, em vão é também a nossa fé.” (1 Cor 15, 14).

Num mundo em que, muitas vezes, a guerra, o dinheiro, o poder, as armas são sinais de esperança e segurança, o sepulcro vazio nos revela que somente aquele que, a exemplo de Cristo, ama e serve sem reservas pode ser semente de esperança e ser capaz de trazer vida nova a todos. “Quando escolhemos a esperança de Jesus, aos poucos descobrimos que o melhor modo de viver é o da semente, do amor humilde. Não há outro modo de vencer o mal e dar esperança ao mundo.” (Papa Francisco, Angelus, 12/04/17).

Ao celebrarmos este alegre dia que o Senhor fez para nós, tenhamos a certeza de que somos amados por Deus. Depois da ressurreição de Jesus podemos olhar de uma maneira nova para todos os acontecimentos da nossa vida, certos de que a sua vitória sobre o pecado e a morte é também a nossa vitória; “(...)bem-aventurados os que não viram e contudo, creram” (Jo 20,29).

Façamos a nossa parte. Sejamos alegres na esperança, fortes na tribulação e perseverantes na oração. Um bom final de semana a todos, feliz e abençoada Páscoa e até uma próxima oportunidade.

 

 

 

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...