ANO: 25 | Nº: 6262
18/04/2017 Fogo cruzado

Clima esquenta entre Schardosim e Lelinho

O secretário municipal de Juventude, Esporte e Lazer, João Schardosim, não poupou críticas à gestão anterior da secretaria, durante apresentação, em sessão especial, ontem, na Câmara de Vereadores de Bagé. O titular também foi enfático ao rebater posições do líder do PT no Legislativo, Lélio Lopes (Lelinho), que comandou a pasta, na administração do prefeito Dudu Colombo. O petista fez uma espécie de tréplica, durante manifestação na tribuna, elevando as cobranças contra o governo.
Schardosim fez questão de mostrar que conhece a secretaria. Após citar números, apresentar históricos e um levantamento sobre equipamentos encontrados sem condições de uso, em um discurso de recuperação estrutural, o secretário apresentou um mapa, detalhando projetos da pasta. O destaque fica por conta da pista de atletismo, que pode ser construída dentro do complexo Presidente Médici, a partir de uma parceria com o Exército. Ele destacou que uma quadra de futebol sete também deve ser erguida dentro do complexo. Depois de fazer um balanço dos primeiros 100 dias de trabalho, o secretário revelou a intenção de construir uma ciclovia no local.
O tom da crítica, porém, foi elevado quando o titular da pasta pontuou que a recuperação, de fato, do campo um (do complexo Presidente Médici), será viabilizada por recursos vinculados a uma emenda parlamentar. A abertura de crédito, inclusive, já foi autorizada pelo Legislativo. "O que foi feito, lá (em 2016), foi politicagem. Não poderia ter sido reativado", criticou. Schardosim adiantou, também, que a arbitragem do campeonato amador de futebol não será mais custeada pela prefeitura, mas por uma associação, formada pelos clubes. "Foi pago R$ 23 mil, em 2015. Agora, a associação vai pagar. Temos que ser parceiros, não financiadores. Futebol não tem que depender de político", alfinetou.
Ao destacar que a secretaria foi mencionada por Lelinho, durante sessão ordinária, na semana passada, Schardosim, que é vereador licenciado, aproveitou a sessão para rebater posições do petista. O líder do PT, durante pronunciamento na tribuna, havia questionado a atuação do secretário, em um evento de skate, apontando a falta de equipamentos no local. "Talvez quem não tenha o conhecimento da secretaria seja o senhor", disse ao petista. "A água, o senhor sabe, tem que ser pedida para o Daeb. A lixeira tem que ser pedida ao Meio Ambiente. Precisamos colocar as coisas da maneira correta", pontuou.

Denúncia
Antes de concluir sua manifestação, Schardosim apresentou aos vereadores cópia de uma denúncia, encaminhada ao Ministério Público, contra Lelinho, por conta da utilização de infraestrutura do município em uma festa de Natal, na Cohab, no ano passado. O secretário argumenta que o petista teria 'utilizado recursos para promoção pessoal'. "Não faria denúncia sem provas", garantiu.

Ponderação
A manifestação de Schardosim repercutiu no plenário. Integrantes da base elogiaram a prestação de contas, que deve ser levada a cabo por outros integrantes do primeiro escalão nas próximas sessões. O vereador Rafael Rodrigues (Fuca), do PT, entretanto, recorrendo à postura conciliadora, recomendou ponderação. "Acho que temos que pautar os projetos e as melhorias para a comunidade. Não precisamos trazer estas pautas negativas, envolvendo Ministério Público. Não pode ser assim", disse.
Antes de elogiar a condução dos trabalhos na Câmara, sob a presidência do vereador Edimar Fagundes, do PRB, Fuca falou, especificamente, sobre a denúncia apresentada pelo secretário. "Este documento, que foi protocolado, não faz parte da nossa sessão. Este espaço serve para explanar as questões da secretaria. Espero que isto não esteja acontecendo pelas manifestações que o vereador Lelinho tem feito, como oposição. Acho que o secretário deve responder ao Lelinho à altura, fazendo um trabalho positivo", pontuou.

Aumentando a cobrança
Lelinho rebateu as posições de Schardosim, classificando a intervenção do secretário como 'um circo'. "Se, porventura, alguma denúncia foi feita, então que a Justiça faça as investigações", resumiu. O petista disse, ainda, durante a sessão, que ficou 400 dias à frente da pasta. "Foi um ano e dois meses. Não tive planejamento para quatro anos. A verba era limitada. Eu tinha apenas duas indicações lá dentro. Mesmo assim, tenho um arquivo com quase 400 páginas de trabalhos realizados", destacou.
Ao adiantar que, após 100 dias de gestão, vai elevar a cobrança contra o governo, Lelinho mencionou o fechamento da Farmácia Popular, a decisão de não repassar os uniformes escolares, a falta de perspectiva para entrega do Residencial São Sebastião, a ausência do projeto para o plano de carreira e a gestão do Departamento de Água, Arroios e Esgotos de Bagé (Daeb). O petista, aliás, também fez uma denúncia relacionada à autarquia.
Durante manifestação na tribuna, o parlamentar apresentou fotos, argumentando que o familiar de um diretor do Daeb teria sido o único beneficiado pela instalação de bueiros, por meio de uma ação vinculada ao projeto 'Meu Bairro Melhor', desenvolvido pela prefeitura, no bairro Castro Alves. Com base em informações da autarquia, a afirmação foi rebatida pelo presidente da Casa. "Na verdade, o serviço mencionado foi realizado em toda a rua", garantiu Edimar, em pronunciamento no púlpito.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...