ANO: 25 | Nº: 6335
04/05/2017 Cidade

Detran-RS revela dados sobre mortes no trânsito de Bagé

Foto: Arquivo JM

Maior volume de acidentes com vítimas fatais foi registrado em 2009
Maior volume de acidentes com vítimas fatais foi registrado em 2009

Dados divulgados pelo Departamento Estadual de Trânsito do Rio Grande do Sul (Detran-RS) revelam um contexto desconcertante para o trânsito bajeense. Em 10 anos, 97 pessoas perderam a vida em acidentes registrados em vias municipais, estaduais ou federais da cidade. Vinte e seis acidentes ocorreram em rodovias federais e 70 em vias municipais. Em estradas sob a responsabilidade do Estado, apenas uma morte foi relatada neste período.
O ano com maior número de acidentes fatais, 2009, contabilizou 15 mortes no trânsito. À época, o número de veículos, cerca de 42,3 mil automóveis, era consideravelmente menor do que o volume de carros que circulam atualmente pelo trânsito bajeense, mais de 64,6 mil. O número de vítimas fatais, aliás, diminuiu na contramão do crescimento da frota, sendo que, em 2016, foram registrados quatro acidentes fatais, enquanto em 2015 foram cinco.
A fiscalização tem contribuído para a redução das estatísticas. Elias Duarte assumiu a coordenação da Operação Balada Segura em janeiro deste ano, quando foram realizadas mais de 60 autuações, sendo que 26 foram em apenas uma noite de blitz realizada pela secretaria em parceria com a Brigada Militar. Ele credita ao projeto de conscientização a diminuição dos números de acidentes. "Com certeza, a Balada Segura ajudou muito no controle de acidentes através da autuação de motoristas em situação de alcoolemia ou que se recusaram a fazer o teste do etilômetro", destacou.


Educação necessária

O secretário de Segurança e Mobilidade Urbana, Paulo Véras, afirma que a chave para a redução da mortalidade no trânsito é "a conscientização constante dos grandes riscos da desobediência às leis, paralelamente à ação fiscalizadora constante das autoridades responsáveis por este setor", destacou.
Valdirene Pereira Pintos é agente de trânsito e coordena as ações de educação para o trânsito no município. Afastada desde o início do ano por questões de saúde, ela conta que em 2017 não irá participar das atividades do Maio Amarelo, mas espera retornar em julho e dar continuidade ao trabalho que desenvolve há quatro anos junto a estudantes das redes privada e pública.
O projeto em questão é uma parceria da secretaria com a Infraero. Valdirene conta que enquanto estava em aplicação, o projeto levava estudantes para o Aeroporto Internacional Comandante Kraemer todas as quartas-feiras. No local, recebiam orientações sobre como se portar no trânsito, tanto no papel de pedestre quanto motorista ou carona.
Ela acredita que desde o início do projeto, há quatro anos, até agora, já formou mais de seis mil multiplicadores de boas práticas no trânsito, o que pode ter influência direta no decréscimo de acidentes. "Cada um tem uma abordagem. Para os estudantes menores, não foco como futuros motoristas, mas como parte do sistema que compõe o tráfego, para entenderem que participam deste sistema, mesmo sem dirigir um carro. Já para os estudantes maiores, sim, foco nas orientações para futuros motoristas", destacou.


Foco na conscientização

A questão da conscientização é propícia para o momento, após um final de semana em que dois acidentes vitimaram três bajeenses em duas rodovias que cortam os limites do município. Maio é o mês dedicado à conscientização e prevenção de motoristas e pedestres em relação aos acidentes de trânsito. Atividades neste sentido são desenvolvidas em diversos municípios, incluindo Bagé, que ainda não tem programação definida, mas deve realizar atividades em alusão à data.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...