MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Fogo Cruzado

Lei pode reconhecer Freio de Ouro como manifestação da cultura nacional

Publicada em 06/05/2017
Lei pode reconhecer Freio de Ouro como manifestação da cultura nacional | Fogo Cruzado | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Projeto apresentado por Hamm aguarda designação de relator

O projeto de lei que reconhece o Freio de Ouro como manifestação da cultura nacional foi apresentado pelo deputado federal Afonso Hamm, do PP, à Câmara dos Deputados, na semana passada. O texto, que ainda não foi encaminhado às comissões técnicas, determina que 'compete ao poder público garantir a livre realização das atividades que compreendem a competição, resguardadas as normas legais de proteção aos animais'.
Em sua justificativa, Hamm argumenta que 'o Freio de Ouro é uma competição anual exclusiva do cavalo Crioulo, realizada no Rio Grande do Sul, há quase 40 anos, onde podem ser comprovadas as habilidades de cavalo e ginete, reproduzindo-se nas pistas o trabalho do dia a dia no campo'. "É o principal indicador de aperfeiçoamento e seleção da raça Crioula, trazida pelos colonizadores espanhóis e considerada, hoje, a maior raça de equinos desse grande estado sulista", destaca.
O progressista sustenta, ainda, que 'mais do que ferramenta de trabalho, atleta no esporte equestre ou mesmo como companheira de montaria, a raça (Crioula) é também um dos principais produtos atuais do agronegócio brasileiro'. "Valorizado pelas suas qualidades, o cavalo Crioulo é reconhecido (por lei) como o animal símbolo do Rio Grande do Sul, e, atualmente, o responsável por um complexo econômico que movimenta cerca de R$ 1,28 bilhão, gerando mais de 280 mil postos de trabalho por ano, em todo o País, segundo levantamento feito pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP)", pontua.
Não existe prazo para votação da proposta, que ainda depende de avaliações técnicas, antes de seguir para plenário. Hamm também é autor do projeto que reconhece a Marcha de Resistência do Cavalo Crioulo como manifestação da cultura nacional. A matéria já foi aprovada pela Comissão de Cultura e agora aguarda designação de relator na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados, onde tramita em caráter conclusivo.

Galeria de Imagens
Leia também em Fogo Cruzado
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 999719480

plantao@jornalminuano.online
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

comercial@jornalminuano.online
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

central@jornalminuano.online