ANO: 25 | Nº: 6335

Márcia Dilmann Sousa

marciasifa@hotmail.com
19/05/2017 Márcia Dilmann Sousa (Editorial)

Violência contra o menor, para combater tem que denunciar

Os casos assombram, já que muitos deles são praticados por quem deveria zelar e cuidar do menor, os próprios familiares. Dados em Bagé apontam que grande parte dos registros de violência contra a criança e o adolescente acontece dentro de casa. O abuso sexual é um deles. O espaço que deveria ser sagrado torna-se o maior cárcere e reduto de violência contra o menor. Por não serem suspeitas, os abusadores, em sua maioria, são pessoas próximas, sejam familiares ou vizinhos, por isso a violência se torna invisível, pois acontece atrás das paredes da própria casa da criança. A data de 18 de maio é o Dia Nacional de Combate à Violência e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Em Bagé, um dos que mais levanta a voz em favor do menor é o vereador Omar Ghani. Essa causa é uma das bandeiras do legislador, que já tem leis aprovados em benefício da criança e dos adolescente. Representantes de outros municípios vêm à cidade para levar como referência o que está se fazendo aqui. Um dos próximos encaminhamentos de Ghani é levar os projetos de sua autoria, que se tornaram leis, ao deputado estadual do PR, Missionário Volnei, para que o exemplo municipal quem sabe possa se tornar lei em âmbito de Estado. Na Rainha da Fronteira, existe uma rede de proteção ao menor, mas ainda temos muitos a avançar nesse sentido, porque os números do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) e do Conselho Tutelar mostram que é precisão fazer mais. A denúncia é uma das armas mais eficazes para combater essa chaga que envergonha a sociedade.

 

 

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...