ANO: 25 | Nº: 6381

Fernando Risch

fegrisch@gmail.com
Escritor
26/05/2017 Fernando Risch (Opinião)

O pior da saúde é a espera

  Esses tempos senti um sintoma estranho no meu corpo. Pesquisei no Google, por curiosidade. Segundo os sites, eu tinha câncer. Ou algo próximo de câncer. Minha vida estava no fim, era inevitável. Ansiei-me, fiquei nervoso. Era sábado e eu só poderia ligar para marcar uma consulta médica na segunda. Uma consulta que seria marcada sabe-se lá para quando. E até eu erguer meu telefone para fazer a ligação, ainda teria que passar pelo resto do sábado e todo o domingo pensando que iria morrer.

  Depois de alguns exames, acabei descobrindo que não tinha nada. Uma mera inflamaçãozinha pouco importante, mas que, obviamente, tinham seus sintomas muito próximos do câncer. Mas não era câncer. Era nada. E eu, na minha habitual ansiedade, elevada à máxima potência, quase me quedei de taquicardia até saber que meus temores eram simplesmente infundados. E eu tenho sorte. Sorte por ser um privilegiado com plano de saúde, conseguindo marcar exames em curtos períodos. Fico pensando naqueles que esperam bons meses aguardando um especialista na fila do SUS só pra descobrirem se a espada do infortúnio lhes cortará a cabeça ou lhes deixará viver através de um tratamento com aspirinas.

  Talvez o grande problema da saúde no Brasil seja esse: a incerteza. Uma pessoa com um péssimo diagnóstico nas mãos tem mais sanidade que um louco com uma inflamação irrelevante que pensa que a morte bate à porta.Saúde não é apenas tratamento, mas diagnóstico. E o diagnóstico tem que vir à galope, sempre, mesmo que inexista tratamento para o que o enfermo tenha. Essa é a razão que leva uma pessoa a consultar no Google seus sintomas e o que leva uma pessoa a consultar no Google o resultado de um exame, que será apresentado a um médico uma semana depois, mas aquela pessoa não tem uma semana pra esperar. Então, ela pesquisa e descobre que irá morrer. Até uma semana depois, quando o médico lhe dará meia dúzia de comprimidos sem tarja para curar uma dor de cabeça qualquer.

  Angústia é o pior sentimento que um ser humano pode sentir. Nada é pior que a angústia. Nem o luto, a dor, nada. A angústia é torturante, é prolongada, é o inesperado que se alimenta da aflição. Não saber o que se tem – se é que se tem – é a pior sensação que existe. Tanto para o possível doente como para aqueles que o cercam. Familiares aflitos, esperando por uma notícia que nunca chega.

 A Saúde brasileira precisa de compaixão, principalmente pelos agentes, os médicos. Uma pessoa esperando por um diagnóstico não é apenas um cliente, o qual pode esperar sentado por uma consulta; é um ser humano à beira do caos, rodeado de outros seres humanos à beira do caos, que esperam apenas por uma resposta, qualquer que seja ela, o mais rápido possível, seja no domingo, no feriado ou no Natal. Não importa. O pior da Saúde é a espera.

 

 

Deixe seu comentário abaixo

Em tempo real

Outras edições

Carregando...