ANO: 25 | Nº: 6399

Divaldo Lara

divaldolara@gmail.com
12/06/2017 Divaldo Lara (Opinião)

Bagé. A cidade menos violenta do RS

Tenho falado e escrito bastante sobre essa boa notícia para nós bajeenses: o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública apontaram a nossa cidade, dentre aquelas com mais de 100 mil habitantes, como a menos violenta do Rio Grande do Sul. No Brasil, estamos na 17ª posição.

Isso é muito bom. Por este motivo, volto a destacar essa boa notícia, pois temos que manter e até diminuir esses índices agora e no futuro.

Não há dúvida que se trata de um trabalho muito bem articulado dos nossos orgãos de segurança, polícias Civil, Militar e Federal. Destaco, aqui, a palavra do delegado regional Luis Eduardo Benites: “Nossa comunidade não fomenta uma cultura de violência. A maioria dos autores dos crimes e delitos não são naturais do município”. No entanto, apesar do bonito gesto de elogio à comunidade, destaca-se o trabalho realizado pelos policiais, que desenvolvem ações efetivas de combate às causas da violência, como o narcotráfico. O serviço de inteligência da Brigada Militar é peça importante para termos chegado aos baixos índices de criminalidade em Bagé, não há dúvida disso, dentro do conjunto de atividades realizadas, como o policiamento ostensivo.

Mas, é essencial que matenhamos a boa notícia com ações de governo na Educação, na Saúde, no Meio Ambiente, no Desenvolvimento Econômico e na Secretaria de Segurança e Mobilidade. Por isso, nosso compromisso firmado com a Guarda Municipal, em que estamos trabalhando muito para a sua instalação, o que deve acontecer no próximo ano. Se estamos bem hoje, ficaremos melhor amanhã com a ajuda de guardas em praças, escolas, postos de saúde e demais orgãos públicos.

Vale destacar que os órgãos de segurança em Bagé trabalham integrados. Aliás, o delegado da Defrec, Cristiano Ritta, exaltou esse fato, o trabalho conjunto das polícias, apesar das dificuldades que enfrentam com a falta de recursos, fazem desses servidores verdadeiros heróis.  

De minha parte, sou parceiro da polícia e defendo os interesses dos agentes da Segurança Pública junto ao Estado, compreendo a sua luta.

Quanto ao município, se depender da minha administração, os índices reduzirão ainda mais, porque começamos, desde janeiro, agindo de forma ampla, sabedores que a proteção da comunidade abrange inúmeros fatores, em que projetos e programas tendem a ser essenciais na melhoria da qualidade de vida da população, o que significa coibir atos de violência.

A nós, bajeenses, a boa notícia nos obriga a anunciar em alto e bom som: Bagé, orgulho de ser a cidade mais pacífica do Rio Grande. 

Deixe seu comentário abaixo

Em tempo real

Outras edições

Carregando...