ANO: 24 | Nº: 6110

Rochele Barbosa

rochelebarbosa@gmail.com
Jornalista formada pela Universidade da Região da Campanha. Responsável pela produção e reportagem do caderno de Saúde do Jornal MINUANO
03/07/2017 Caderno Minuano Saúde

Benefícios e malefícios do sal

Foto: Divulgação

Molho hipossódico para substituição do sal
Molho hipossódico para substituição do sal

A indústria retirou mais de 17,2 mil toneladas de sal dos alimentos desde o acordo firmado com a Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (Abia) em 2011. Os dados são de um balanço divulgado pelo Ministério da Saúde em junho. A proposta, agora, é reduzir ainda mais o sódio nos produtos alimentícios. A meta é a retirada voluntária de 28.562 toneladas de sal das prateleiras até 2020.

A redução é equivalente a 4.313 caminhões de 10 toneladas carregados com sal, o que preencheria mais de 60 quilômetros de estrada. De acordo com o balanço do Ministério, o produto que teve o maior percentual de redução foi a sopa, cortando, em média, 65,15% de sódio por cada 100 gramas de produto. No queijo muçarela, o percentual foi de 23,15%; e no requeijão, 20,47%. Por outro lado, a menor redução média percentual foi nos empanados, com queda de 5,7%.

Atualmente, o brasileiro consome uma média diária de 12 gramas de sódio. O valor representa mais do que o dobro do máximo sugerido pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que é de cinco gramas. O Ministério da Saúde lembra que o consumo de sal em excesso pode levar a doenças crônicas como hipertensão, diabetes e obesidade. Isso junto a doenças cardiovasculares, respiratórias e câncer respondem por 72% dos óbitos no País. Nesta edição, a nutricionista Renata Meireles explica o que é o sódio e como ele pode trazer malefícios e benefícios para saúde.

 

Novo acordo para uso de sódio

O Ministério assinou um novo acordo com a indústria, que determina a retirada de 28,5 mil toneladas de sódio de outros produtos. A medida está prevista para durar mais cinco anos até 2022. As primeiras categorias a entrar são as massas instantâneas, os pães de forma e as bisnaguinhas.

Além desse acordo com a indústria de alimentos, o Ministério da Saúde trabalha com outras frentes para reduzir o consumo de sal. Uma delas é proibir a venda de refrigerantes refil. A medida deve impactar principalmente mil lojas de fast food e outras redes de restaurante. Segundo a pasta, há um aumento de 30% no consumo quando se compram refis.

De acordo com a nutricionista Renata Meirelles, o sódio contido no sal tem um papel importante em diversas funções do organismo e é essencial para uma boa saúde. É ele que mantém o volume de líquidos no corpo, evitando a desidratação, por exemplo. “O sódio também participa de funções básicas no corpo, como contração muscular, impulsos nervosos e ritmo cardíaco, permitindo o bom funcionamento do cérebro e controle das funções vitais do organismo. A falta de sódio causa efeitos como anorexia, tonturas, dores de cabeça, dificuldades de memorização e fraqueza”, enumera.

O sódio presente na corrente sanguínea é um dos elementos que mantém a quantidade ideal de água fora das células para não sobrecarregar os vasos, conforme relata a especialista. “Desta forma, a manutenção da pressão arterial ideal também é uma função do sódio, desde que o seu consumo não seja excessivo. Essa função denominamos de equilíbrio hidroeletrolítico. O ideal é consumirmos até duas gramas de sódio e não menos do que 500 mg diariamente. No entanto, é fácil excedermos essa quantidade. Ao consumirmos muito sódio, aumentamos o volume sanguíneo e, consequentemente, a força deste sangue sobre os vasos sanguíneos que transportam. Com isso, aumentamos a pressão arterial, que é um dos principais fatores de risco para as doenças cardiovasculares”, ressaltou.

 

Sal do Himalaia ou Rosa

O sal rosa é extraído das minas secas do Himalaia, na Ásia, e não passa pelo processo de refinamento. Por isso muitas pesquisas afirmam que mantêm mais de 80 minerais e apenas 240mg de sódio por grama. Mas essa quantidade de minerais não é o suficiente para oferecer os benefícios necessários. Isso porque a concentração é baixa e para fazer uma real diferença no funcionamento do organismo seria preciso ingerir altas doses de sal, o que geraria um consumo exagerado de sódio, explica a nutricionista. “Nesse sentido, não seria interessante consumir o sal do Himalaia para garantir uma alimentação balanceada, e sim consumir esses minerais através de uma alimentação balanceada”, completa.

Renata salienta que a diferença entre os inúmeros tipos de sal disponíveis no mercado está, basicamente, na textura e no tamanho do grão. Quanto a quantidade de sódio apresentada por eles, a variação é baixa e, portanto, todos são fontes de sódio e devem ser utilizados com cautela. “O sal light, realmente, tem uma proporção bem menor de sódio em sua composição. Ele geralmente apresenta metade da quantidade de sódio presente na versão tradicional. Portanto, é importante saber que o usuário não deve utilizar o dobro da quantidade do sal light em relação ao comum, pois estará excedendo o consumo de sódio da mesma forma. Se o individuo com hipertensão utilizá-lo com cautela pode ser uma boa estratégia de diminuição do sódio da dieta. O seu uso pode ser contra indicado para pacientes com insuficiência renal por causa da elevada quantidade de potássio que possui”, enaltece.

 

Doenças

O consumo excessivo de sódio é um dos principais fatores de risco para a hipertensão arterial associada a eventos cardiovasculares e renais, argumenta a profissional. “No Brasil, o consumo de sódio excede mais de duas vezes o máximo recomendado de 2000 mg de sódio. A hipertensão arterial atinge 36 milhões de indivíduos adultos, mais de 60% dos idosos, contribuindo direta ou indiretamente para 50% das mortes por doenças cardiovasculares”, declara.

A nutricionista também relata que, geralmente, a relação entre o sal e o sódio não é clara para muitas pessoas, que além disso ignoram que não basta apenas “cortar” o sal que adicionam as refeições. “É preciso ler os rótulos das refeições ou alimentos pré-preparados, verificando o teor de sódio”, explica Renata.

A especialista informa que um grama de sal contém 400mg de sódio. “Nas compras, deve se evitar os produtos que contêm um elevado teor de sódio ( mais de 400mg de sódio) e ou substâncias como “glutamato monossódico” e “ bicarbonato de sódio”, acrescenta.

 

Quantidade máxima de sódio recomendado pela Organização Mundial da Saúde

 

Idade

Sódio (g)

Sal (g)

zero a seis meses

0,2

0,6

sete a 12 meses

0,3

0,8

um a três anos

0,5

1,3

quatro a seis anos

0,7

1,8

sete a 10 anos

1,2

3

11 a 14 anos

1,6

4

adultos

1,9

5

 

Renata esclarece que a indústria tem papel fundamental no sentido de estimular a exposição do consumidor a produtos com teor de sódio reduzido e, com isso, atuar na mudança de hábitos de consumo e adaptação a esses níveis. “Grande parte do sódio ingerido pela população em geral se encontra oculto nos mais diversos alimentos processados”, complementa a nutricionista.

De acordo com a profissional, pesquisas apontam que a cada grama extra de sal, o risco de obesidade aumenta em 25%, tanto em crianças quanto em adultos. “Ainda não está bem estabelecida a relação direta do sódio com a obesidade, mas se pensarmos que a maioria dos alimentos industrializados que favorecem o ganho de peso são ricos em sódio, podemos estabelecer essa relação na dieta”, destaca.

 

Molho hipossódico

Ingredientes: seis a oito dentes de alho, 100ml óleo, ervas aromáticas ( alecrim, manjerona, pimenta, louro, orégano e cebola conforme o gosto). Preparo: corte os dentes de alho bem miúdos e triture, misture as ervas aromáticas de sua preferência. Coloque o óleo e deixe em infusão na geladeira por dois dias para curtir.

Caldo de legumes caseiro
Cozinhe alho, alho-poró, louro, orégano, aipo, cenoura, moranga e talos com água. Coe e congele em potes para usar em risotos, sopas e molhos.

Cuidados

- Recomendar o uso moderado de sal no preparo da comida e a restrição do uso de alimentos ricos em sódio, como enlatados, embutidos, conservas, molhos prontos, molho de soja (shoyo), macarrão instantâneo, caldo de carnes, temperos prontos, defumados, snacks, carnes conservadas no sal e refeições prontas congeladas.

- Estimular a utilização de temperos naturais para substituir o sal como,  por exemplo: açafrão, alecrim, alho, canela, cebola, coentro, cravo, louro, gengibre, hortelã, limão, manjericão, manjerona, orégano, pimentão, salsinha, sálvia, tempero verde, vinagre, adobo.

- Não leve o saleiro para a mesa

- Cozinhe a vapor. É uma forma de os alimentos ganharem mais sabor.

- Cada alimento isolado da dieta deve ter menos que 480mg de sódio, o prato principal menos que 720mg e a refeição total menos que 960mg de sódio.

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...