ANO: 25 | Nº: 6334

Sidimar Rostan

sidimar_frostan@hotmail.com
Editor de política e comentarista da coluna Fogo Cruzado. Jornalista, é especialista em Comunicação e Política e subeditor geral do Jornal Minuano.
20/07/2017 Sidimar Rostan (Editorial)

Para continuar nos trilhos

O modal ferroviário é crucial para o desenvolvimento. E esta não é uma vocação nova. Em Bagé, por exemplo, a estrada de ferro que viabilizou o acesso do município ao mar, através da conexão com o porto de Rio Grande, representa um marco histórico. A experiência tem um viés atual. Em um país que ainda precisa vencer desafios estruturais para produzir riqueza, o sistema de transporte não pode mais representar outra dor de cabeça. Os números, porém, comprovam que o cenário pode ser revertido com planejamento.
O Anuário do Setor Ferroviário, publicado pela Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT), revela que o volume de cargas transportado por trens aumentou quase 30% em uma década, saltando de 389,1 milhões de toneladas, em 2006, para 503,8 milhões de toneladas, no ano passado. Cabe destacar que o fluxo varia, estrategicamente, servindo tanto para abastecer, quanto para escoar produções. A busca pela eficiência, entretanto, esbarra em fatores externos, comprovando que nem tudo são rosas.
Na década utilizada como referência pelo estudo, 10 das 13 concessionárias que operam serviços em solo brasileiro conseguiram reduzir os índices de acidentes. Em contrapartida, conforme detalha o levantamento, a velocidade média com que as locomotivas se deslocam diminuiu. A ANTT sustenta que este aspecto, importante para o setor, está diretamente atrelado ao crescimento populacional de cidades importantes. Fica evidente, portanto, que o desempenho poderia ser superior.
A crise, por outro lado, não anda de trem. A Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF) já alertava, em março, inclusive, que o transporte de mercadorias por trilhos vinha crescendo desde o início do processo de concessões, há aproximadamente duas décadas. A evolução do sistema, agora, precisa contemplar um programa mais ousado de investimentos. Recursos não faltam. Talvez esteja faltando, de fato, é vontade ou estímulo para concretizar investimentos.

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...