ANO: 24 | Nº: 8084
10/08/2017 Editorial

Uma revisão necessária

As prefeituras dependem de transferências de recursos. Mas em que grau? De acordo com levantamento realizado pelo Tesouro Nacional, apenas 1,81% dos 5.568 municípios brasileiros tiveram menos da metade da receita associada a repasses dos governos estaduais e da União, no ano passado. Em 82% das cidades, estes recursos representam mais de 75% do orçamento. A realidade é um pouco diferente, no Rio Grande do Sul. Mas não existe motivo para comemorar.
Conforme o Tesouro, estados situados nas regiões Norte e Nordeste possuem maior dependência em comparação com aqueles situados nas regiões Sudeste e Sul. No Acre, Amapá, Maranhão, Paraíba, Piauí e Sergipe, os recursos da União corresponderam a uma faixa entre 50% e 75% das receitas locais. Em Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo a razão de dependência ficou abaixo de 25%.
O estudo também é claro ao demonstrar que os gastos principais estão atrelados às áreas de educação, totalizando 26,2%, e saúde, com 24,8%. Parcela significativa dos valores, portanto, é empregada em serviços, não em obras ou manutenções. O levantamento atesta, por outro lado, que os principais gastos da União e dos estados são em pagamentos de dívidas e amortizações. Vivemos, logo, em um país engessado. Mas existe um remédio. Ele pode até ser amargo, mas precisa ser administrado.
A solução para as finanças passa, inevitavelmente, pelo pacto federativo. Pelo modelo vigente, a União, após as transferências, fica com 50% de toda a arrecadação. Compete aos estados uma fatia de 31%. Os municípios, que atendem as demandas em diferentes setores, ficam com apenas 19% de todo o bolo tributário nacional. Enquanto esta lógica não for revisada, a relação de dependência só deve aumentar. Como as cidades não podem criar receitas, nada mais justo do que participar, de maneira equilibrada, da divisão das riquezas.

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...