ANO: 24 | Nº: 5982
04/09/2017 Segurança

“Hoje me sinto em casa” declarou vítima de racismo e xenofobia

Foto: Tiago Rolim de Moura

Ato foi realizado no sábado, na avenida sete de setembro
Ato foi realizado no sábado, na avenida sete de setembro

Na tarde de sábado, representantes da Comunidade Black Sul, Comunidade Muçulmana, Grupo de Apoio aos Refugiados da Região Sul e Frente Parlamentar de Acompanhamento e Solidariedade aos Imigrantes e Refugiados realizaram um ato de solidariedade denominado "Aliança pelo Manê", em apoio ao senegalês Ousmane Iall (conhecido como Manê), que foi vítima de racismo, agressão e xenofobia na manhã do dia 28 de agosto, em Bagé.
A vítima declarou que, com este ato, hoje (sábado) se sentia em casa. “Estou em Bagé há quatro anos. Vivo do meu trabalho de vender pulseiras, colares, relógios e anéis. Quero agradecer o apoio. Me sinto em casa, acolhido. Agradeço ao povo desta cidade por este ato”, completou.
A representante da Frente Parlamentar de Acompanhamento e Solidariedade aos Imigrantes e Refugiados e da Mulheres Palestinas em Ação, Maysar Hassan, afirmou que a ação é de apoio e de desagravo. “Realizamos em Porto Alegre uma audiência pública onde o presidente da Frente Parlamentar, deputado Nelsinho Metalúrgico, discutiu sobre ações de saúde pública, proteção e apoio aos refugiados, que são muitos no Estado, sobre a garantia dos direitos de ir e vir e que eles não sejam tratados sem respeito e com preconceito”, disse.
Com cartazes e faixas, cerca de 30 pessoas participaram do ato, que contou com apoio de vereadores de Bagé, empresários, advogados, militantes e ativistas. O representante do Grupo de Apoio aos Refugiados, Nasser Yusuf, destacou que já foi aberto um processo criminal e civil contra a mulher acusada de injúria racial, racismo e xenofobia. “Já temos um advogado e queremos punição para que esses atos não aconteçam mais. Nosso país é feito por imigrantes. Todos nós somos descendentes de imigrantes, não podemos tolerar. Este é um ato de desagravo”, concluiu.


Relembre

Na segunda-feira, dia 28 de agosto, um caso de racismo e xenofobia (preconceito contra imigrantes) foi registrado na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA). O fato ocorreu em frente a uma loja, na avenida Sete de Setembro, em Bagé, por volta das 9h50min.
Ousmane, de 42 anos, que reside no Brasil há 10 anos, estava trabalhando, vendendo produtos no centro, quando foi vítima de racismo. Ele contou, no boletim de ocorrência, que uma mulher se aproximou e, sem motivo algum, lhe desferiu um tapa nas costas. Após, a mulher arrancou o seu boné e o jogou no chão.
Manê, que á naturalizado brasileiro, também informou que a mulher começou a lhe xingar, chamando de ‘escuro’ e de ‘lixo’, dizendo para que ele ‘voltasse para o seu país, para morrer de fome’. Amigos e testemunhas acompanharam o fato e identificaram a suspeita.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...