ANO: 25 | Nº: 6379
16/09/2017 Editorial

Momento favorável

O setor carbonífero vive um período atipicamente favorável no Rio Grande do Sul. O contexto é fruto da nova Política Estadual do Carvão Mineral, que cria o Polo Carboquímico do Estado, beneficiando a região de maneira direta; também é resultado da presença de dois projetos de termelétricas gaúchas, no leilão de energia nova, confirmada pelo governo federal. O momento é histórico por revelar que o recurso finalmente integra as estratégias de desenvolvimento dentro de uma lógica sustentável – que deve ser privilegiada.
O Polo Carboquímico, que será estabelecido por lei, vai dar segurança jurídica, estabelecendo regras claras para o setor. Aceguá, Caçapava do Sul, Candiota, Dom Pedrito, Hulha Negra e Lavras do Sul estão inseridas em um dos dois complexos previstos pela proposta, que agora será avaliada pela Assembleia Legislativa. Cabe destacar que a inclusão da Campanha gaúcha na legislação foi articulada por lideranças locais, que reconhecem no mineral uma forma de impulsionar o crescimento econômico. O modelo, aliás, abre novas perspectivas, principalmente no terreno da preservação ambiental.
A nova proposta de lei prevê alternativas para a gaseificação do carvão. Candiota está no centro deste debate, com a perspectiva de novas usinas ambientalmente adequadas e de plantas pioneiras, capazes de produzir fertilizantes, por exemplo, com baixo impacto. O processo, agora, deve demandar mais atenção no tocante ao diálogo com os investidores, tendo em vista que a dimensão institucional já está afinada às demandas. O certame para contratação de energia, que será realizado em dezembro, representa o primeiro desafio neste sentido. Por enquanto, resta torcer para que os ventos não mudem.

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...