ANO: 23 | Nº: 5764

Viviane Becker

viviminuano@hotmail.com
Colunista social do Jornal Minuano, Viviane Becker é experiente jornalista de geral e conhecida editora do caderno de variedades Ellas.
06/10/2017 Caderno Ellas

Geração mini me - Por Janine Pinto

Foto: Reprodução JM

Geração Mini-Me

Conheço pais que fazem qualquer sacrifício para que seus filhos tenham o que eles não tiveram. Quando o assunto são as crianças parece que desaparece a razão, não existe nenhum tipo de questionamento, o negócio é consumir. Isto não é exclusividade de um país como o nosso, terceiro-mundista, e, em consequência, com menor cultura e educação. Este comportamento esta em toda parte, onde o dinheiro flui e até onde não flui.

Se as crianças são o foco das aspirações de tantos pais vaidosos e afoitos por inserir seus pimpolhos na sociedade, é lógico que os mesmos não podem ser como antigamente, ou seja, crianças “normais”. O mercado de vestuário infantil teve um crescimento fora do comum nos últimos anos. Fatores sociais, como uma taxa de natalidade cada vez maior e pais tardios, contribuíram para isso, além dos avós do boomer, com mais rendimentos e maiores do que em qualquer outro momento da história, que combinaram-se para fazer do “childrenswear” um negócio altamente lucrativo. 

Caramel Baby & Child, grife inglesa (onde um vestido de festa pode custar até £ 250, traduzido para reais, por volta de mil reais), viu as vendas aumentar em 20% nos últimos três anos, enquanto os varejistas de luxo, como Alex e Alexa (que vende mais de 9.000 itens por etiqueta, incluindo Dior, Fendi, Burberry e Ralph Lauren), estão prosperando. Não é de se admirar que a Net-a-Porter Site de vendas online tenha registrado o nome de domínio Petite-a-Porter ou que a famosa loja Harrods expandiu recentemente seu departamento de roupas para crianças em 66 mil metros quadrados.

Sem dúvida, é a internet e toda mídia em cima dos filhos de celebridades, é o que está alimentando a demanda por uma infância designer. Sites de mães ansiosas trocam dicas de moda como vestir os filhos em uma versão Mini-Me (quem nunca ouviu falar deste personagem do filme Austin Powers, o filho era uma pequena versão do agente secreto, sem tirar nem por). 

Uma celebridade infantil é o príncipe George, menino real se tornou a criança mais copiada do planeta. Todas as fotos em que o pequeno sai levam milhares de pais afoitos às lojas, e as roupas que ele usa ficam esgotadas dentro de 48 horas, levando a revista Forbes a apelidá-lo de "criança mais influente do mundo". 

Orgulhar-se da aparência do filho é uma vaidade tão antiga quanto à própria paternidade, embora somente após a Segunda Guerra Mundial os pais começaram a aspirar a algo mais do que a "limpeza" para a sua prole, já que o mercado de roupas para crianças não existia em massa escala antes disso. Ao lançar o Baby Dior em 1967, a casa de Dior estava muito à frente da curva: levou até 1978 para Ralph Lauren lançar roupas para crianças, e mesmo assim ele era um lobo solitário. Foi apenas na década de 2000 que outros estilistas, que mostraram suas coleções nas passarelas internacionais, decidiram expandir seu alcance. Little Marc Jacobs, lançado em 2005; Stella McCartney Kids, em 2010; Lanvin, Marni, Gucci e Fendi Kids, chegaram todos em 2011; e Dolce & Gabbana levou a retaguarda em 2012. Mas a maior mesmo é a Burberry, que registrou £ 79 milhões na receita de roupas infantis para o ano fiscal 2013/14 - cerca de 4% do total da empresa.

Confira a opinião de Estelle Lee, editora-chefe da revista ParentingSmallish. ”A indústria da moda se adaptou para tornar as crianças uma área privilegiada para o crescimento à medida que nossas atitudes se adaptam e a sociedade se torna mais centrada na criança. Quer se trate de roupas, festas, atividades extraescolares ou educação, é vital para os pais investirem em seus filhos. As vidas estão ocupadas, e há uma expectativa de retorno sobre o investimento com nossos filhos”.

Com as vidas cada vez mais complexas, as classes médias estão tentando fetichizar a infância. Isso pode explicar porque o príncipe George muda tanto de roupa, é como dizer que suas calças podem encantar as pessoas tanto quanto seu pedigree real.

Talvez seja nostalgia querer que as crianças de agora sejam iguais as do meu tempo, onde quando os joelhos das calças furavam iam para o sapateiro colocar um remendo de couro; ganhávamos uma roupinha nova somente em datas especiais ou quando crescíamos e as velhas deixavam de servir; herdávamos as roupas das primas mais velhas e usávamos sem questionar. Seria uma tentativa de parar o tempo, preservar a infância com o que ela realmente tem de bonito, que é a espontaneidade, não importando a roupa, porque isto tanto faz desde que seja confortável na visão simplista de uma criança. Realmente acho que atualmente os pais gostariam de colocar seus filhos em cima de um trono inventado por suas aspirações douradas, tornando seus rebentos em suas cópias perfeitas, criando uma geração de Mini-Me, questiono a validade de tanto consumo, e esta adultização precoce, é, com certeza, um novo fenômeno ou um retrocesso? Deixo aqui o questionamento...

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias do caderno

Outras edições

Carregando...