ANO: 25 | Nº: 6399
20/11/2017 Fogo cruzado

Bagé apresenta baixo nível de adequação ao Índice de Efetividade das Gestões Municipais

Foto: Arquivo JM

Levantamento considera dados apresentados pela prefeitura
Levantamento considera dados apresentados pela prefeitura

O município de Bagé apresentou pequena evolução no Índice de Efetividade da Gestão Municipal (IEGM), elaborado pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul (TCE-RS). Em termos de adequação às determinações legais, a Rainha da Fronteira ainda apresenta baixo nível de adequações. A pesquisa divulgada pela Corte, referente a 2016, apresenta resultados sobre a qualidade e efetividade das políticas públicas implementadas durante o período de gestão do ano passado, com dados sobre sete áreas: educação, saúde, planejamento, gestão fiscal, meio ambiente, defesa civil e governança da tecnologia da informação.
O IEGM classifica os resultados das gestões em cinco critérios: altamente efetivo, muito efetivo, efetivo, em fase de adequação e baixo nível de adequação. O resultado geral do Rio Grande do Sul aponta que 51,31% dos municípios estão em fase de adequação quanto à efetividade de políticas públicas, 41,65% possuem índice efetivo nas áreas analisadas e 6,84% estão com baixo nível de adequação. O município de Bagé não informou dados sobre saúde, educação e meio ambiente. A gestão fiscal, entretanto, foi considerada efetiva, a exemplo da gestão de tecnologia da informação adotado pela cidade.
O estudo é baseado em informações do banco de dados do TCE-RS e também a partir das respostas ao questionário, com 600 quesitos, enviado aos gestores municipais. Em comparação aos resultados do IEGM anterior, relativo ao ano de 2015, houve decréscimo no número de municípios com índices de efetividade e aumento de municípios em fase de adequação. A auditora pública externa do Tribunal, Monique Madeira Pereira, responsável pela pesquisa, Monique Pereira, explica que a alteração pode estar relacionada à troca de gestões municipais, por eventual 'desconhecimento de como as ações eram feitas na gestão anterior'.


Região

Aceguá está em fase de adequação. A cidade, entretanto, apresenta baixo nível em relação aos dados da educação e planejamento, registrando efetiva adequação na gestão fiscal, tecnologia da informação e meio ambiente. No quesito saúde, o nível foi considerado muito efetivo.
Candiota apresenta baixo nível de adequação em praticamente todos os indicadores, com exceção da saúde, gestão fiscal e tecnologia da informação, classificados como efetivos. Em Hulha Negra, o IEGM está em fase de adequação. Saúde, gestão fiscal e tecnologia da informação são os destaques positivos.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...