ANO: 26 | Nº: 6527

Daiane Lima

daiane.lima.bg@gmail.com
Jornalista formada pela Universidade da Região da Campanha. Responsável pela produção e reportagem de esportes do Jornal MINUANO.
24/11/2017 Universo Pet

A escolha entre a castração e o anticoncepcional

Foto: Divulgação

O período fértil dos animais pode ser conturbado para os tutores. Tanto para as cadelas quanto para as gatas, o período fértil começa a partir dos seis meses e o cio pode levar cerca de 10 dias. A veterinária da Universidade da Região da Campanha (Urcamp), Luciana Araújo Lins, explica que a diferença entre as duas é que as gatas precisam da presença do macho e do estímulo, diferente das cadelas, que entram no cio a cada semestre. Os felinos ficam agitados, miando bastante e procurando um gato para acasalar. Os caninos, além disso, apresentam também sangramento.

Para evitar que o pet tenha filhotes, os tutores precisam manter as fêmeas longe de machos, realizar a castração ou a aplicação de anticoncepcionais. Luciana, entretanto, ressalta que os remédios não são indicados e podem causar problemas de saúde aos animais. Os anticoncepcionais, conforme explica a veterinária, devem ser administrados somente em casos em que o pet tenha alguma doença que necessite da ação do medicamento.

Tais remédios imitam o efeito da progesterona, hormônio que prepara o corpo para a gestação, liberado quando há um embrião em formação. Dessa forma, acontece um aumento das glândulas mamárias, o que aumenta o risco de câncer de mama. Com o remédio, o útero também para suas contrações, o que pode gerar infecção no animal. Isto, porque qualquer secreção que exista não é eliminada do corpo.

A castração, por outro lado, não possui pontos negativos. A cirurgia somente é contraindicada para animais que não possam ter a anestesia aplicada, sejam doentes ou idosos.

Sobre o comportamento dos animais após a castração, a veterinária relata que eles podem diminuir a atividade relacionada à procura por um macho ou fêmea. A respeito do peso, ela explica que os tutores podem controlar a alimentação e estimular os exercícios físicos em seus pets. “É bom evitar deixar eles presos. Mas essa também é uma orientação para aqueles que não são castrados”, conta.

Há também a opção de vasectomia e laqueadura.  A diferença é que na castração os testículos são retirados e na vasectomia o animal continua fértil, mas é feita a interrupção da passagem dos espermatozoides. Nas fêmeas, a passagem do óvulo é impedida. Mesmo assim, Luciana ressalta que a castração é sempre a melhor opção, já que evita doenças nos pets.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias do caderno

Outras edições

Carregando...