ANO: 25 | Nº: 6334
29/11/2017 Cidade

O amor à tradição consolidando a cultura do voluntariado

Foto: Divulgação

Integrantes da invernada mirim do Sentinela se mobilizam e arrecadam caixas de leite para doação
Integrantes da invernada mirim do Sentinela se mobilizam e arrecadam caixas de leite para doação

Solidariedade, cidadania e comprometimento: estes são alguns dos valores que o Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG) busca despertar em seus membros por meio do projeto social desenvolvido pelas entidades. Neste ano, através de votação durante o 65º Congresso Tradicionalista Gaúcho, o tema proposto para ser trabalhado durante o próximo quinquênio na sociedade foi o voluntariado. Das cerca de 70 entidades componentes da 18ª Região Tradicionalista (18ª RT) e filiadas ao MTG, as quatro de Bagé desenvolvem diversas atividades.
Desde o início do ano, as instituições assistenciais do município vêm sendo beneficiadas. Usualmente, as entidades tradicionalistas costumam promover visitas a instituições e às escolas, proporcionando apresentações artísticas, oficinas sobre história, símbolos do Rio Grande do Sul, chimarrão, pilchas, confecção de brinquedos, realização de brincadeiras, gincana cultural ou atividades lúdicas com assistidos, mas não fica só nisso: as entidades tradicionalistas do município desenvolvem outros projetos visando preservar a cultura, resgatar valores e formar cidadãos de bem, adequando as atividades ao público-alvo.
O CTG Sentinela da Fronteira visitou a Fundação Geriátrica José e Auta Gomes. A invernada se apresentou e os idosos receberam doações de leite. Além desta ação, os membros do Sentinela ainda promoveram uma blitz solidária alusiva ao Outubro Rosa. O CTG Pampa e Minuano desenvolve um projeto de aulas de gaita, violão e teatro destinado a crianças carentes. O Grupo de Artes Nativas Campo Aberto desenvolveu uma oficina de dança com a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) no dia do Jovem Tradicionalista. A invernada adulta do CTG Prenda Minha desenvolve atividades semanais com os idosos do asilo José e Auta Gomes: dançam, contam histórias e embelezam.
O coordenador da 18ª RT, Gilberto Silveira, explica que o tema faz parte dos objetivos principais do movimento tradicionalista organizado. “Desde os primórdios do movimento, o voluntariado foi a base da criação das entidades tradicionalistas. Obviamente que, com a globalização, alguns segmentos acabaram se tornando profissionalizados, deturpando de certa forma a nossa razão de ser. Mas a aprovação do tema quinquenal foi justamente com o propósito de resgatar estes ideais em alguns tradicionalistas”, conta.
A terceira prenda da 18ª RT, Franciele Garcia, faz parte do CTG Sentinela da Fronteira e afirma que o trabalho voluntário dentro do MTG resgata costumes perdidos nos jovens da sociedade. “Nós vamos até as instituições carentes e também desenvolvemos ações sociais internas, buscando trazer a sociedade para dentro dos nossos CTG’s. Queremos que todos saibam que nossa cultura vai muito além da dança”, ressalta.
Já a Diretora Cultural da 18ª RT, Paula Bundt, assegura que tradicionalismo e solidariedade são sinônimos. “Ninguém recebe nenhum valor para ser tradicionalista. Ao contrário, todas as despesas são por nossa conta. Como em todos os meios, nosso voluntariado é extremamente gratificante, pois assim podemos afirmar que trabalhamos por amor à causa tradicionalista”, conclui.

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...