ANO: 26 | Nº: 6590
01/12/2017 Cidade

Família busca apoio para tratamento de menina com síndrome rara

Foto: Tiago Rolim de Moura

Mãe destaca que consulta está prevista para dia 4
Mãe destaca que consulta está prevista para dia 4

A família de Ketteley Acunha, 8 anos, busca apoio para o tratamento de uma doença denominada Síndrome de Klippel-Trenaunay (KT). A menina precisa consultar com um especialista em São Paulo. O atendimento será no dia 4 de dezembro e, por isso, familiares precisam angariar R$ 10 mil. O valor serviria, nesse primeiro momento, para o pagamento de exames e estada na capital paulista.
Conforme a mãe de Ketteley, Gelciara da Silva Acunha, foram realizadas várias promoções para angariar o valor e, até agora, foram arrecadados R$ 6 mil. No dia 8 de dezembro será realizado um pedágio, das 9h às 12h e das 13h30 às 18h, em frente à Câmara de Vereadores de Bagé, para complementar a quantia.
Gelciara conta que a filha foi diagnosticada aos três anos e teve acompanhamento médico em Bagé. Porém, foi preciso buscar um especialista em virtude do agravamento da enfermidade. A mãe salienta que a menina teve uma hipermetrofia em uma das pernas e já está afetando outras partes do corpo. “Essa é a primeira consulta. Temos que realizar os exames e esperar os resultados”, enfatiza.
Além de Ketteley, Gelciara tem um filho de dois anos. O marido trabalha em um supermercado, como açougueiro. A menina precisa usar meias de compressão, que custam cerca de R$ 200. A família e um grupo de voluntários estão pedindo apoio dos vereadores e diretamente nas secretarias.
Também está disponível uma conta bancária na Caixa Econômica Federal, agência 0456- nº 001690797, na qual pode ser depositado qualquer valor. Conforme uma das voluntárias, Iara Ustarroz, a prefeitura disponibilizou um veículo para levar e buscar mãe e filha até Porto Alegre.


Klippel-Trenaunay

A enfermidade é uma rara síndrome vascular congênita, na qual vasos sanguíneos e linfáticos se formame de maneira anômala causando manchas avermelhadas e compromete os órgãos internos. A síndrome de KT precisa de cuidados especiais e tratamentos específicos. A doença ainda é considerada incurável pela medicina, mas pode ser controlada.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...