ANO: 23 | Nº: 5813

Airton Gusmão

redacaominuano@gmail.com
Pároco da Catedral
02/12/2017 Airton Gusmão (Opinião)

A espera do Senhor que vem

“Vigiai, pois, em todo o tempo e orai, a fim de que vos torneis dignos de escapar a todos estes males que hão de acontecer, e de vos apresentar de pé diante do Filho do Homem” (Lc 21, 36).
Neste domingo iniciamos em toda a Igreja um novo tempo litúrgico chamado de Advento, que significa vinda, chegada. Este tempo, como ensina a Igreja, forma uma grande unidade com o Natal e a Epifania, porque nos permite, não somente uma profunda preparação para o Natal, mas uma bela reflexão acerca do grande dom da salvação que nos é trazido pelo menino Jesus. Por isso, o Advento é por excelência o tempo da esperança, onde os cristãos são convidados a renovar a sua fé, sua confiança no Deus da vida que veio habitar entre nós, “não para condenar, mas para salvar o que estava perdido” (Lc 19,10). Assim, todos nós precisamos neste Advento redescobrir o verdadeiro sentido da esperança cristã que não se fundamenta numa ilusão ou realidade passageira, mas no amor de Deus que sempre nos precede e que constantemente busca o coração do ser humano.
Deste modo, a teologia litúrgica do Advento se desenvolve em duas linhas: a primeira reflete a vigilante espera pela segunda vinda do Salvador, e a segunda aponta para a perspectiva do Natal enquanto memória das promessas feitas por Deus ao povo, já cumpridas, mas ainda não plenamente.
A liturgia deste domingo, portanto, se relaciona com essa vigilante espera pela segunda vinda do Salvador. A parábola contada por Jesus a respeito do homem que deixa sua casa sob os cuidados dos seus servos, não revelando a hora em que irá retornar, é um convite para que todos os cristãos enfrentem com coragem e esperança este tempo presente com a certeza de que o “Senhor vem”. Como podemos viver bem este tempo presente na certeza de que o Senhor virá no fim dos tempos?
Na verdade, o Senhor sempre nos visita buscando nos conduzir para uma situação melhor e mais plena. Diariamente o Senhor vem ao nosso encontro através da Palavra, dos Sacramentos, dos nossos irmãos, mas nem sempre estamos preparados ou atentos para reconhecê-lo e ouvi-lo. Por isso, o Advento nos recorda que sempre precisamos de mudança, de conversão, para sermos sempre fiéis ao Senhor. Viver plenamente a nossa vida, com sentido e verdade, exige este constante retorno ao Senhor que nunca nos abandona. Este desejo sincero de conversão traduz o espírito deste tempo que se inicia, pois revela a confiança que Deus sempre tem na humanidade e o desejo do homem de acolher a vida eterna trazida por Cristo. Quando nos propomos a fazer o melhor de nós na família, na escola, no trabalho, o nosso coração se enche desta esperança e desta certeza para o qual fomos criados, de vivermos para sempre no amor de Deus. Assim, que Maria nos ensine a viver plenamente este tempo; deixemo-nos surpreender pela vinda diária do Senhor que sempre amplia o horizonte do nosso coração na feliz espera do dia que Ele será tudo em todos.
Façamos a nossa parte, saibamos acolher e responder ao convite de Deus. Somos convidados a preparar o Natal cristão através dos encontros nas famílias, grupos e comunidades. Sejamos alegres na esperança, fortes na tribulação e perseverantes na oração. Um bom final de semana a todos e até uma próxima oportunidade.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...