ANO: 25 | Nº: 6354
02/12/2017 Cidade

Bagé registra bom resultado no índice de controle do vetor da dengue

Foto: Tiago Rolim de Moura

Fiscalização é intensificada durante o verão
Fiscalização é intensificada durante o verão

Bagé alcançou um resultado positivo no Levantamento rápido de infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa), ou Mapa da Dengue, realizado pelo Ministério da Saúde, em ação conjunta com estados e municípios. O Índice de Infestação Predial (IIP) da cidade, medido a partir das análises de dados apresentados à pasta, foi classificado como satisfatório (o mais baixo da escala). O coordenador da Vigilância Sanitária do município, Marcelo Inchauspe, destaca, porém, que mesmo com o resultado otimista, a Rainha da Fronteira não está totalmente fora de risco.
O levantamento foi realizado em 3.946 cidades brasileiras e apontou que 357 municípios estão em situação de risco de surto de dengue, zika e chikungunya. Inchauspe conta que Bagé participou do processo com coletas realizadas três vezes, em 25% dos imóveis da cidade. “É uma forma de dar uma visão geral da situação de cada município. Através desses dados é calculado quanto cada cidade irá receber para ações de combate ao mosquito”, explica.
O coordenador relata que até o momento foram identificados 246 focos do mosquito no município. Os bairros com maior incidência são Mascarenhas de Moraes, Getúlio Vargas, Centro e Jardim do Castelo. Por isso é necessário que os moradores sigam em alerta, já que a cidade não está fora de risco, apenas com situação controlada. “Este bom resultado é um reflexo do trabalho em conjunto da Vigilância, Exército e da população, que está mais consciente e colabora com as ações”, destaca.


Mapeamento

O mapa é um instrumento fundamental para o controle do mosquito Aedes aegypti. Com base nas informações coletadas no LIRAa, o gestor pode identificar os bairros onde estão concentrados os focos de reprodução do mosquito, bem como o tipo de depósito onde as larvas foram encontradas. O objetivo é que, com a realização do levantamento, os municípios tenham melhores condições de fazer o planejamento das ações de combate e controle.
As atividades da Vigilância Sanitária devem ser intensificadas no verão, época de maior incidência de casos, já iniciando no próximo dia 8, Dia D de mobilização contra o mosquito. A ação deve se estender até janeiro de 2018, mobilizando os governos federal, estaduais e municipais para promoverem ações de limpeza nas cidades, em casas, estabelecimentos privados e órgãos públicos.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...