ANO: 24 | Nº: 6084
14/12/2017 Cidade

Definida carteira de projetos para alavancar desenvolvimento na região

Foto: Claudenir Munhoz

Pela manhã, dinâmica de trabalho com grupos discutiu os projetos
Pela manhã, dinâmica de trabalho com grupos discutiu os projetos

A segunda oficina de implantação do Centro de Desenvolvimento Regional (CDR) encerrou nesta quarta-feira, 13, com a discussão de alvos potenciais da região e, também, de projetos que possam ser trabalhados ao longo dos anos. Com condução do diretor do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), Antônio Carlos Galvão, a estrutura da carteira de projetos começou a ser trabalhada por meio de alguns alvos definidos na primeira oficina, realizada em início do mês de novembro.

A plenária presente no encontro, constituída de representantes de órgãos, associações e entidades dividiu-se em três grupos, onde discutiram e indicaram projetos, apontando prioridades com base na aderência de dados regionais e a avaliação conforme os pontos fortes e fracos da região. Os grupos partiram do princípio dos alvos, sendo eles: agrofamiliar, energia limpa/sistema sustentável, saúde e saneamento, infraestrutura e saneamento.

Após as discussões, os grupos apresentaram os resultados e projetos elencados para definir um alinhamento de prioridades para promover o desenvolvimento regional. Segundo Galvão, com essas decisões o município de Bagé avança na implantação do CDR. “Aceleramos o processo com a primeira agenda concreta e objetiva de ações a desencadear em 2018”, destaca.

 

Resultados

No encerramento dos trabalhos da oficina no período da manhã foi definido um grupo de representantes do poder público e de instituições para definir uma lista de projetos que serão um pontapé inicial para executar o desenvolvimento da região.

A carteira de propostas definida teve como base as discussões dos alvos e diretrizes do Plano Estratégico do Conselho Regional de Desenvolvimento (Corede Campanha). Os projetos elencados serão socializados com os convidados e participantes das oficinas, a fim de criar uma hierarquização das propostas, entre alta, média e baixa para dar andamento aos trabalhos a partir de 2018.

Para Galvão, os resultados da oficina foram positivos. “Conseguimos definir uma lista de projetos que agora com os atores locais e regionais irão chancelar o processo”, completou. Após validação iniciam os diálogos para financiar as propostas, por meio de recursos da Capes, Cnpq, entre outros.


Carteira de projetos

- Tecnologia APL (cadeias curtas) - AGROFAMILIAR

- Educação tecnológica - AGROFAMILIAR

- Apoio à criação e à difusão de energias sustentáveis – SISTEMAS SUSTENTÁVEIS

- Tecnologia aplicada sistemas produtivos sustentáveis – SISTEMAS SUSTENTÁVEIS

- Educação ambiental (Bioma Pampa) – SISTEMAS SUSTENTÁVEIS

- Tecnologia e inovação, saúde ocupacional e doenças crônicas – SAÚDE E SANEAMENTO

- Tecnologia de saneamento – SAÚDE E SANEAMENTO

- Ambientes de inovação (Institutos de tecnologia, parques/incubadoras, centro de prototipagem, tecnologia aplicada a infraestrutura) - INFRAESTRUTURA

- Sensibilização da formação empreendedora e inovação (eventos, educação empreendedora, bolsas) - INFRAESTRUTURA

- Tecnologia aplicada a infraestrutura - INFRAESTRUTURA

- Desenvolvimento de roteiros turísticos (patrimônio natural e cultural) - TURISMO

 

Entenda

A iniciativa faz parte de um projeto-piloto da Secretaria de Ensino Superior do Ministério da Educação (Sesu/MEC), por meio do CGEE, que contemplará, inicialmente, apenas quatro cidades do Brasil, sendo Bagé, Brasília, Campina Grande, na Paraíba, e Itapeva, em São Paulo. A implantação do CDR integra a Urcamp, Universidade Federal do Pampa (Unipampa), Conselho Regional de Desenvolvimento da Campanha (Corede Campanha) e Ministério da Educação. O projeto visa ter uma agenda de iniciativas das instituições da base técnico-científica no interesse do desenvolvimento das suas regiões.
Além disso, a proposta procura atender objetivos como de aumento da competitividade e sustentabilidade das estruturas sociais e econômicas regionais; da melhor apropriação social dos esforços e formação de recursos humanos e investimentos em educação e ciência, tecnologia e inovação e de resultados das atividades de pesquisa e desenvolvimento que assegurem melhoria de qualidade de vida das populações.

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...