ANO: 26 | Nº: 6523
15/12/2017 Cidade

Gestão do Hospital Universitário realiza prestação de contas para Conselho Municipal de Saúde

Foto: Tiago Rolim de Moura

Ribeiro apresenta antes e depois da situação do HU
Ribeiro apresenta antes e depois da situação do HU

Dois representantes da nova gestão do Hospital Universitário, Rafael Ribeiro e Romário de Almeida, que estão à frente da instituição apresentaram o trabalho realizado neste primeiro ano para o Conselho Municipal de Saúde. A reunião ocorreu ontem, pela manhã, no auditório do Posto de Atendimento Médico I (PAM I), com a presença de representantes de diversos segmentos da sociedade e integrantes da atual gestão do conselho.
O presidente do conselho, Emerson Rodrigues da Silva, e os conselheiros Milton Brasil e Gilnei Fagundes, explicaram que a gestão do HU foi convidada a comparecer à reunião e apresentar o trabalho que vem sendo desenvolvido desde a reabertura da instituição, em dezembro de 2016.
Médico e integrante da gestão, Ribeiro começou a explanação relembrando que a equipe se instalou no hospital para realizar auditoria do fechamento da instituição e apontar quais os motivos que levaram à suspensão de serviços. Com as respostas na mão, a equipe foi convidada pela Fundação Attila Taborda/Universidade da Região da Campanha (FAT/Urcamp) mantenedora do HU, a permanecer no hospital e desenvolver as ações necessárias para possibilitar a reabertura. E assim foi traçado o plano estratégico, para garantir o atendimento da população. “Chegamos em um hospital fechado e começamos a implementar o modelo que achamos que daria certo. Por isso dizemos que é um novo hospital, com um novo modelo de negócio”, destacou.
Junto a Romário Almeida, administrador do hospital, Ribeiro apresentou em uma série de fotos e reportagens a situação anterior do HU e a compararam com o atual momento que a instituição atravessa, com inovação tecnológica e investimento em qualificação de atendimento aos pacientes.
A gestão apresentou, também, as formas encontradas pela equipe para garantir valores necessários para o funcionamento do hospital. “Não queremos depender de verbas e recursos do governo, porque se faltar, a instituição fica empenhada. Queremos receber pelo serviço que realizamos, tanto para o município quanto para o Estado”, disse Rafael Ribeiro, exemplificando o convênio com a Prefeitura de Bagé, que repassa R$ 96 mil como pagamento por 100 tomografias a cada mês para os pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).
 o médico encerrou a apresentação com notícias ainda mais animadoras, como o anúncio da abertura do bloco cirúrgico para o próximo ano e a instalação de dois elevadores para facilitar a acessibilidade de pacientes em macas.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...