ANO: 26 | Nº: 6544
20/12/2017 Editorial

Uma comissão necessária

A criação de mecanismos de avaliação é parte fundamental de qualquer planejamento. Sem indicadores para mensurar resultados e apontar direções a serem seguidas, nenhum projeto pode decolar. O processo de fiscalização, porém, precisa ser democratizado. Neste sentido, a Comissão Nacional para Recuperação da Vegetação Nativa, formada, oficialmente, na semana passada, pode ser qualificada como exemplo positivo. É cedo para comemorar. O momento, em verdade, serve para reflexão.
A comissão, formada por representações do governo e de organizações da sociedade civil, é fundamental para o andamento da Política Nacional de Recuperação da Vegetação Nativa e do Plano Nacional de Recuperação da Vegetação Nativa. O colegiado vai apontar o caminho a ser trilhado no sentido de metas ousadas, assumidas em nome do Acordo de Paris – estabelecido com o objetivo de reduzir as emissões dos gases que provocam o efeito estufa a partir de 2020. E a primeira constatação é pertinente.
A reunião que marcou o início de atuação do grupo encerrou com a certeza de que o financiamento de projetos representa o principal desafio. É importante destacar que recursos não faltam. O problema não é orçamentário. O tema precisa, de fato, ser pacificado no âmbito político. Este processo vai além da definição de prioridades. É preciso um verdadeiro esforço institucional para tirar os projetos do papel. Cabe dizer, ainda, que não compete exclusivamente ao poder público assumir todas as funções.

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...