ANO: 24 | Nº: 6161

Rochele Barbosa

rochelebarbosa@gmail.com
Jornalista formada pela Universidade da Região da Campanha. Responsável pela produção e reportagem do caderno de Saúde do Jornal MINUANO
23/12/2017 Caderno Minuano Saúde

O idoso e o verão: vantagens e desvantagens

Foto: Divulgação

Atividades físicas são ótimas nesta estação
Atividades físicas são ótimas nesta estação

O verão é uma das estações mais agradáveis do ano, mas as temperaturas elevadas podem causar alguns problemas, como desidratação (o mais comum, diga-se de passagem), quedas bruscas de pressão, indisposições alimentares e infecções respiratórias.
Sabendo da vulnerabilidade dos idosos a estes problemas, já que com o envelhecimento os controles naturais do organismo funcionam mais devagar, é importante tomar os devidos cuidados com a saúde nesta época do ano.
O Ministério da Saúde lançou, em novembro, a Estratégia Nacional para o Envelhecimento Saudável, com o objetivo de qualificar o atendimento aos idosos na rede pública de saúde. Pela primeira, o Ministério traz orientações aos profissionais de saúde e gestores para aumentar a qualidade de vida dessa população, que vai representar cerca de 20% dos brasileiros em 2030.
Nesta edição a médica geriatra Alice da Cruz Fernandes irá falar sobre o envelhecimento e o verão, como se cuidar e ter disposição nesta estação quente.

Como se cuidar na estação mais quente do ano
O corpo humano possui um grande percentual de água em sua constituição. Esse líquido se dissolve nas proteínas, suores, hormônios, fluidos, entre outros, explica a médica geriatra. “Se não bebermos água, o corpo começa a desidratar, isso acontece quando a eliminação de água do corpo é maior do que a ingestão. As consequências podem variar desde casos leves, como tonturas e sede excessiva, como também podem agravar casos de prisão de ventre e cálculo renal, ocasionar graves quadros de queda de pressão arterial, tontura, perda de sentidos e lesões em órgãos internos, como rins, fígado e cérebro”, ressalta Alice.
A médica salienta que a desidratação acontece decorrente de transpiração excessiva, vômitos, diarreia e uso inadequado de diuréticos. A transpiração excessiva pode ser evitada através de um ambiente com boa ventilação, vestuário com roupas leves e evitando atividades físicas em horários de muito calor. Os quadros de vômitos e diarreia podem ser controlados com o consumo de alimentos frescos, evitando os que possuam facilidade de estragarem e serem contaminados por bactérias. Além disso, é sempre importante lavar as mãos para evitar outras contaminações.
Alice destaca que no verão as quedas de pressão ocorrem com mais frequência porque as temperaturas altas fazem com que os vasos sanguíneos se dilatem para melhorar a transferência do calor pelo corpo, o que ajuda a controlar a temperatura corporal, mas que pode resultar em queda de pressão. É importante enfatizar o perigo de casos de insolação. “Para evitá-los, basta respeitar os horários mais adequados de exposição solar (até as 10h e após às 16h) e usar protetor solar fator igual ou maior do que 40”, informa.
Beber líquidos, de preferência água, aproximadamente dois litros por dia, é essencial porque os idosos, por sofrerem alterações na composição corporal, acabam possuindo menos água no organismo, o que diminui a função renal e causa uma série de problemas, salienta. “Geralmente os idosos não sentem tanta sede quanto os jovens, porém, mesmo assim, a ingestão de água é essencial para a vida”, esclarece.
Outro problema frequente nesta época do ano são as picadas de insetos, comenta a médica. “Para evitá-las é importante o uso de repelentes e telas nas janelas e portas. Atualmente, a maior apreensão é com relação aos mosquitos, os quais são veículos de doenças como a dengue, zika e chikungunya. Cabe lembrar que os riscos específicos para idosos ainda fazem parte de estudos internacionais, uma vez que a presença dessas doenças no país ainda é recente”, conta a geriatra.
O verão, por ter temperaturas mais agradáveis e ser uma estação de luminosidade maior, proporciona momentos melhores para a prática de atividades físicas, como caminhadas, passeios de bicicleta, corrida, jardinagem, passeios de barco, canoagem, meditação e dança, as quais, invariavelmente, tendem a diminuir o sedentarismo e estresse, contribuindo, desta maneira, para a longevidade com qualidade de vida. A especialista conclui dizendo que sendo o verão também uma época mais comumente de férias para os mais jovens, os reencontros familiares, a socialização e as viagens se tornam mais frequentes e intensas nesta época do ano, o que promove momentos de alegria, felicidade e convivência entre pessoas, itens estes importantes no combate de doenças, hoje praticamente disseminadas no mundo inteiro, como a depressão, a ansiedade e o estresse.

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Em tempo real

Outras edições

Carregando...