ANO: 25 | Nº: 6386
09/01/2018 Segurança

Mais de 11 toneladas de drogas foram apreendidas no Estado no ano passado

Foto: Divulgação

Montante de droga recolhida em 2017 é 7% maior que quantidade apreendida em 2016
Montante de droga recolhida em 2017 é 7% maior que quantidade apreendida em 2016

As forças policiais do Rio Grande do Sul apreenderam em 2017 mais de 11,2 toneladas de drogas no Estado. Os dados são do Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico da Polícia Civil (Denarc) e dizem respeito à maconha, cocaína, crack e haxixe. O montante é 7% maior que a quantidade recolhida em 2016. Além disso, mais de 18 mil comprimidos de ecstasy e oito mil pontos de LSD foram retirados das ruas, um aumento de 26% e 67%, respectivamente.
As drogas foram incineradas em três ações que ocorreram em abril, junho e outubro. Para o secretário estadual da Segurança Pública, Cezar Schirmer, o crescimento nas apreensões se justifica pela intensificação das ações das polícias e pelo reforço no efetivo, que somente em 2017 recebeu mais de 1,5 mil novos policiais civis e militares para atuarem no policiamento ostensivo, nas ações preventivas e em operações policiais. “Retirar de circulação essa grande quantidade de substâncias ilícitas impacta diretamente na segurança da população, pois é comprovado que o tráfico de drogas é uma das principais causas de crimes de homicídios, roubos e furtos. Vamos continuar trabalhando de forma enérgica para combater esses tipos de delitos”, garante.
A Secretaria Estadual da Segurança Pública, por meio de suas vinculadas, executa ações específicas de combate ao tráfico de drogas. Em 2017 foram 296 operações desencadeadas pela Polícia Civil, das quais 32 especiais do Denarc.
Para o chefe de Polícia, delegado Emerson Wendt, a asfixia financeira do crime organizado tem sido vital para o sucesso das operações. “O fundamental e mais importante é que estamos conseguindo trabalhar com equilíbrio as investigações de crimes patrimoniais e o combate ao tráfico de drogas, enfatizando a repressão à lavagem de dinheiro. Só em 2017 foram apreendidos e sequestrados bens móveis e imóveis e dinheiro do crime organizado, cujo a soma ultrapassa R$ 60 milhões”, comemora Wendt.
O comandante-geral da Brigada Militar, coronel Andreis Silvio Dal'Lago, destaca que o trabalho de prevenção, junto ao de repressão qualificada, aponta resultados positivos para a população. "Atuamos com a Operação Avante, com foco na repressão qualificada, onde as abordagens de veículos e pessoas são intensificadas. Além disso, há 20 anos desenvolvemos o Proerd, que vem mostrando um alto grau de efetividade no trabalho com crianças e adolescentes na prevenção ao consumo de drogas", diz.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...