ANO: 24 | Nº: 6109
03/02/2018 Campo e Negócios

Cooperativas agropecuárias gaúchas faturam mais de R$ 20 bilhões em 2017

Foto: Divulgação

Segundo a FecoAgro/RS, resultado líquido do sistema cresceu 7,7% no ano passado
Segundo a FecoAgro/RS, resultado líquido do sistema cresceu 7,7% no ano passado

Apesar das adversidades econômicas vivenciadas em 2017, das quais ninguém esteve imune, as cooperativas agropecuárias do Rio Grande do Sul devem confirmar um crescimento adicional de R$ 1,2 bilhões no seu faturamento em relação à 2016, ultrapassando R$ 20,8 bilhões de movimento econômico. Os números foram anunciados nesta quarta-feira, 31 de janeiro, pela Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS), em coletiva de imprensa na sede da entidade, em Porto Alegre.

O índice de crescimento apresentou-se inferior à média dos últimos anos em razão da recessão econômica, que teve reflexos no consumo das famílias, e pela demora na comercialização dos grãos, em função da redução dos preços da produção. Apesar disso, os resultados líquidos devem ser superiores a R$ 410 milhões, superando em 7,7% a soma dos resultados obtidos no ano de 2016. “Isto demonstra claramente um acerto na gestão das cooperativas em observar ações para redução de custos operacionais em todos os seus processos e a otimização de estruturas, mesmo diante de um significativo volume de produtos, especialmente soja, ainda a faturar, cuja operacionalização computa todos os custos decorrentes do estoque de passagem”, destacou o presidente da FecoAgro/RS, Paulo Pires.

Importante destacar que os preços médios recebidos pelos produtores no ano de 2017, comparativamente aos percebidos em 2016, para os principais grãos, tiveram variações negativas na ordem de 14,7% para a soja, 39,6% para o milho e 16,4% para o trigo. Esse comportamento repercute diretamente no valor dos ingressos e das sobras nas cooperativas.

Apesar da recessão, o sistema projeta crescimento econômico contínuo e expressivo nos próximos anos. “Estamos falando de uma projeção para os próximos 5 anos que alcança o patamar de R$ 30 bilhões de faturamento, sustentada pela média de crescimento verificada nos últimos cinco anos que registra 10,1% de crescimento ao ano no grupo das cooperativas afiliadas, o que importa na promoção crescente do desenvolvimento social nas regiões onde estão presentes estas cooperativas”, observou Pires.

Conforme o dirigente, o momento é de instabilidade e pede cautela, mas isso não significa que esta não seja uma boa hora para traçar planos de expansão. Lembrou que no agronegócio, mesmo concorrendo com grandes companhias privadas e multinacionais, as cooperativas conseguem ser, ao mesmo tempo, uma sociedade de produtores e uma rede de empresas preparada para competir com desenvoltura. “Todos sabemos que no Rio Grande do Sul, temos a predominância de pequenas e médias propriedades rurais, normalmente mais vulneráveis à presença de um cenário de economia globalizada e altamente competitivo, que nos aponta e se repete nos últimos anos, na forte tendência de que a margem por unidade de produto tende a diminuir cada vez mais, de tal forma que no médio e no longo prazo, a renda do agricultor se dará pela escala, e não pela unidade de produto. Sabemos que a agricultura familiar, tem limites de escala, mas essa escala pode ser ampliada através de um cooperativismo planejado e robusto”, ressaltou.

O presidente da FecoAgro/RS reforçou que no ano de 2017 se consolidou a implantação do Programa Autogestão, que consiste fundamentalmente em organizar de forma sistêmica os principais índices e indicadores gerenciais das cooperativas participantes, no total de 28 neste momento. Assim foi realizada a primeira visita devolutiva, com a apresentação caso a caso, da análise comparativa consolidada de dados, desdobrados entre os principais indicadores de resultados, estrutura de capital e capacidade de pagamento, contando sempre com a presença da equipe da Gerência de Monitoramento e da Superintendência Técnica da Organização e Sindicato das Cooperativas do Rio Grande do Sul (Ocergs), entidade que centraliza as informações e analisa o posicionamento de cada cooperativa diante aos parâmetros estabelecidos pelo sistema Autogestão.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...