ANO: 24 | Nº: 6161

Airton Gusmão

redacaominuano@gmail.com
Pároco da Catedral
03/02/2018 Airton Gusmão (Opinião)

Jesus e os sinais do Reino

Na liturgia da palavra deste domingo, percebemos Jesus realizando algumas curas e milagres manifestando a força do Reino de Deus. Todos os sinais de Jesus tinham esta intenção de revelar o amor de Deus pela humanidade e sua preocupação com a vida e a felicidade dos seus filhos. Diante da enfermidade e do sofrimento, Jesus não se mostra indiferente, mas acolhe e cura todos os que dele se aproximam. Dessa forma, Jesus revela que o projeto de Deus não é um projeto de morte, mas de vida plena para todos.
O texto que nos é proposto neste domingo (Mc 1 29-39), nos apresenta Jesus curando a sogra de Pedro e muitas outras pessoas que iam procura-lo devido a alguma enfermidade. Depois de realizar esses sinais do Reino, Ele retira-se para rezar e parte para outros lugares, dando continuidade à sua missão evangelizadora.
De fato, este texto nos propõe uma reflexão acerca do sofrimento humano. Quem de nós nunca teve um sofrimento na vida? Nos noticiários a todo momento nos chegam notícias sobre atentados, guerras, desastres naturais, etc. Podemos nos perguntar: Por que tudo isso? Alguns tem a tentação de culpar a Deus se questionando: Por qual motivo Ele permite tais coisas? O fato é que a liturgia da Palavra nos deixa claro que Deus sempre quer o bem de todos e que Jesus sempre lutou em defesa da vida e contra todo tipo de maldade. Talvez nem sempre entendamos o sentido do sofrimento que enfrentamos ou talvez nem sempre esteja claro para nós os caminhos de Deus, mas o que precisamos compreender, à luz da Palavra, é que mais do que estar conosco em todo o mistério da dor e do sofrimento, Jesus participa deste mistério, “Ele assumiu nossas dores e carregou nossas enfermidades” (Mt 8,17), ou seja, como nos diz São Paulo “nada pode nos separar do amor de Deus” (Rm 8,39). Assim, diante de todo o mistério de qualquer enfermidade e dor, devemos responder e ajudar os outros a responderem à luz da fé, tendo sempre presente o mistério salvífico de amor de Deus.
Por fim, como verdadeiros discípulos do Senhor, somos chamados a dar testemunho da força do Reino de Deus em nosso meio. Todos os que foram tocados e curados pelo Senhor, tornaram-se discípulos missionários desta Boa Nova. Neste sentido, também nós devemos lutar contra todo tipo de maldade e “demônios” que ainda hoje continuam a atormentar e fazer muitas vítimas em nossa sociedade. Pensemos naqueles que não tem acesso a tratamento de saúde, remédios, saneamento, alimentação, enfim, o combate a toda essa situação é também comunicar o Reino de Deus trazendo vida em plenitude, assim como Jesus.
No fim do Evangelho, Jesus se retira para rezar a sós com Deus. A oração, quando realizada não como fuga, mas como alimento para a evangelização, nos fortalece e nos anima no caminho. Neste mês de fevereiro, o Papa Francisco nos convida a rezarmos pelo fim da corrupção, este grande mal que assola a nossa sociedade causando tantos sofrimentos e violências. “Peçamos juntos para que aqueles que têm poder material, político ou espiritual não se deixem dominar pela corrupção” (Papa Francisco).
Façamos a nossa parte, sejamos alegres na esperança, fortes na tribulação e perseverantes na oração. Um bom final de semana a todos e até uma próxima oportunidade.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...