ANO: 24 | Nº: 6108
09/02/2018 Universo Pet

Mudanças exigem atenção especial com os pets

Foto: Divulgação

A mudança de uma casa para outra e a adaptação no novo lar não é um desafio somente para os humanos. Os pets também podem ficar nervosos e ter dificuldades para acostumar-se à nova residência. Por isso, é preciso que os tutores fiquem atentos e, principalmente, tenham paciência para apresentar o novo território.

A veterinária Regina Pereira Reiniger, coordenadora do curso de Veterinária da Universidade da Região da Campanha (Urcamp), explica que tudo depende dos costumes do animal, assim como, também é preciso levar em conta se a mudança será de uma casa ou apartamento para um imóvel semelhante ou não.

No dia mais movimentado da mudança, Regina explica que o melhor é deixar o pet em um hotel ou na casa de alguém que ele tenha confiança. O animal, tanto o cão quanto o gato, deve ser levado até a nova residência somente quando tudo já estiver no lugar.

Também é aconselhável que os tutores tenham disponibilidade de estar em casa no primeiro dia, acompanhando o processo de reconhecimento do “território”. Caso não seja possível, Regina aconselha que sejam deixadas roupas usadas próximo da cama do animal, por exemplo.

Além disso, ela ressalta que é importante levar roupinhas, cobertores, a cama e outros brinquedos, além dos objetos do animal. “Não deve se mudar e comprar tudo novo para o pet, ele precisa ter algo familiar”, afirma.

Quando a mudança é para uma residência com pátio, o dono deve acompanhar e brincar com o animal nos primeiros momentos no novo espaço. A dica vale especialmente para os cachorros, pois, como explica Regina eles são apegados aos tutores e não podem ser privados desta companhia.

Ela também alerta que, caso a mudança seja feita para um apartamento, as janelas e qualquer espaço por onde o animal possa sair, devem ser fechados com tela. “Principalmente se o animal for agitado, ou se tinha o costume de pular para a rua”, diz. Nesse caso, também é preciso observar o temperamento dos animais e, será necessário dar mais atenção aos passeios e às brincadeiras.

Com os gatos, a veterinária orienta que o animal seja levado, em uma caixa de transporte, até um cômodo da casa -  fechado, com suas areias, comida, água, cama e brinquedos. O felino será deixado ali, até que o tutor perceba que ele está à vontade. Em seguida, poderá ser apresentado, aos poucos, aos outros ambientes do local. Outra dica é enriquecer o ambiente com arranhadores, caixas e brinquedos. “Principalmente com os gatos, tem que observar se eles estão comendo e bebendo água e como estão as fezes”, aconselha.

Para os felinos, Regina conta que também são vendidos feromônios artificiais, que podem ajudar a deixá-los mais tranquilos. “Dá para colocar no ambiente ou até nas mãos, na hora de lidar com o pet”, explica. Ela alerta também que eles devem ser deixados em casa por um tempo, até que possam passear pelas ruas. Porque o felino não sabe onde está e pode não conseguir retornar.

Quando o tutor tem mais de um animal, a adaptação poderá ser mais fácil. Com um amigo, os cães podem ter mais coragem e os felinos também podem ajudar-se na descoberta do novo ambiente. A profissional ainda destaca que a presença dos tutores é muito importante neste processo de adaptação, tanto para ajudar os pets, quanto para analisar algum comportamento diferente que eles possam apresentar. 

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias do caderno

Outras edições

Carregando...