ANO: 25 | Nº: 6312
21/02/2018 Cidade

Bagé cai de posição no Mapa do Turismo Brasileiro

Foto: Arquivo JM

Nova categorização levou em conta informações do segmento referentes ao ano de 2017
Nova categorização levou em conta informações do segmento referentes ao ano de 2017

O Ministério do Turismo atualizou a categorização dos municípios que compõem o Mapa do Turismo Brasileiro. Diferente dos anos anteriores, em que se manteve no mesmo patamar, categoria B, neste ano, Bagé caiu de posição.

A nova categorização levou em conta as informações do segmento relevantes ao ano de 2017. O mapa serve para acompanhar o desempenho da economia do turismo nos municípios e também como balizador de políticas do setor e direcionamento de verbas federais.

Para participar do mapa, o município precisa dispor de um órgão responsável pelo turismo (secretaria, coordenadoria, fundação, gerência, departamento ou diretoria); ter um orçamento para investir e assinar um termo de compromisso com o Ministério de Turismo.
Bagé integra o Mapa do Turismo desde 2015, preenchendo os requisitos necessários, tanto na esfera federal como estadual, pois possui um coordenadoria de turismo, uma lei que institui o Sistema Municipal de Turismo, criando o Conselho e o Fundo Municipal de Turismo, e uma lei para os profissionais guias de turismo do município.

Nos anos anteriores, a Rainha da Fronteira estava classificada como categoria B de turismo, que, junto à categoria A, representa os municípios com maior fluxo turístico e maior número de empregos e estabelecimentos no setor de hospedagem. Agora, o município caiu no ranking para a classificação C.

A presidente da Associação Pampa Gaúcho de Turismo (Apatur), Sandra Telles, explica que com o atual momento econômico do País, a classificação utilizando dados do Observatório do Turismo reflete de forma mais realista o desenvolver do turismo na região. “Nós estávamos na categoria B, junto a Bento Gonçalves, que tem toda a questão do enoturismo”, destaca.

Mesmo assim, ela não vê como negativa a participação de Bagé no mapa. “Em nossa região, temos dez municípios abrangidos pela Apatur, e, destes, sete fazem parte do mapa. Mas claro que precisamos trabalhar mais nessa cadeia produtiva junto aos empresários e órgãos responsáveis, garantindo que os municípios contem com leitos de hotel suficientes, fluxo mais programado e intenso”, afirma.

Também integrante da Apatur, Rosa Alice Salles explica que a classificação é feita com base de dados oficiais sobre o despenho do setor hoteleiro, sendo o único do trade que tem dados mensuráveis. E aponta: “Acredito que Bagé teve queda também em função de dois hotéis que fecharam, deve ter impactado”, comenta.

Para aumentar a categorização, o município deve refletir positivamente no número de empregos criados através do turismo, ampliando os estabelecimentos formais de hospedagem ou o fluxo de turistas domésticos e internacionais. De acordo com a portaria 39/2017, estão aptos a pleitear verbas junto ao Ministério do Turismo somente municípios classificados entre A e D. Cidades classificadas como C têm direito a um limite de R$ 400 mil.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...