ANO: 24 | Nº: 5959

Dilce Helena Alves Aguzzi

dilcehelenapsicologa@gmail.com
Psicóloga
13/03/2018 Dilce Helena Alves Aguzzi (Opinião)

Convivendo com pavios curtos

 

 

É muito importante saber reagir diante da irritação dos outros para não ficar de bobeira recebendo a carga destrutiva alheia só para que eles se sintam aliviados minutos depois.

O melhor a fazer é ter plena consciência de que não é sua a responsabilidade pela irritação dos outros, o problema é deles. As vezes basta verbalizar: “Isto é um problema seu. Este sentimento não me diz respeito.” Deixando assim bem claro que pode até haver um conflito a se resolver, mas a irritação só piora e confunde a situação. A melhor opção é sair de perto dessa pessoa para que o clima tenso não perturbe suas emoções, mais tarde o entendimento até pode ser conquistado.

Muitos atos de violência e hostilidade poderiam ser evitados se as pessoas percebessem quando estão incomodadas e se afastassem de quem está alterado. Além disso, agir sob o jugo da irritação é problema na certa, quase como querer apagar fogo com gasolina.

Engana-se quem pensa que anunciar claramente “preciso de um tempo para me acalmar, estou muito irritado” é demonstração de fraqueza. Ao contrário, quem assim o faz mostra sua força em dominar a fera interior que existe dentro de todos e uma profunda responsabilidade com seus sentimentos e emoções alheias.

Engolir a irritação faz mal, pois é direcionar a hostilidade para dentro de si mesmo. Já apontar a mira para os mais próximos dá uma falsa sensação de poder ou respeito, na verdade o que os outros sentem é medo de suas atitudes imprevisíveis, violentas ou constrangedoras.

Lembre que o melhor para alguém irritado é ficar sozinho por algum tempo a fim de sentir e balizar suas emoções e pensamentos.

Perceba a irritação como um sinal de alerta de que algo precisa ser mudado. Questione e perceba quem afinal está no controle de suas decisões.

Procure por respostas criativas para velhas situações irritantes. Nem tudo merece uma discussão, às vezes tentar esclarecer uma situação ou responder ao que incomoda só vai aumentar sua imagem de explosivo e inconveniente.

Respeite os outros, não alimente as irritações alheias.

É sempre produtivo investir no autoconhecimento, descobrir o que irrita a si mesmo e a quem convive com você, encontrar uma forma saudável de desabafar, extravasar os sentimentos de hostilidade, sem destruir a si mesmo ou os outros à sua volta.

Finalmente, é ótimo admitir nossa eterna imperfeição, temos um pouco de anjo e um pouco de demônio dentro de nós. A grande evolução é saber lidar com esta condição sem permitir que os extremos prevaleçam.

 

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...