ANO: 25 | Nº: 6357
16/03/2018 Campo e Negócios

Encontro define retomada de força-tarefa em frigoríficos

Foto: Divulgação

Evento contou com presença de representantes da região
Evento contou com presença de representantes da região
Representantes de sindicatos de trabalhadores nas indústrias de alimentação participaram, entre quarta e quinta-feira, na Câmara de Vereadores de Porto Alegre, do Encontro de Avaliação e Planejamento das Forças-tarefas em Frigoríficos e Hospitais no Rio Grande do Sul. O evento, promovido pelo Ministério Público do Trabalho (MPT-RS), visou à discussão das ações realizadas, que envolveram diferentes entidades e resultaram em iniciativas visando à melhoria das condições de saúde e segurança dos trabalhadores. A principal decisão foi a retomada da operação a partir de abril, com um calendário que vai retomar visitas a plantas frigoríficas e realizar novas vistorias.
A primeira etapa da plenária levantou os principais avanços obtidos junto à força-tarefa. De acordo com o coordenador da Sala de Apoio da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins - Sul (CNTA-Sul), Darci Pires da Rocha, as empresas realizaram alterações logo após a realização das vistorias para melhorar o ambiente de trabalho. No entanto, depois de algum tempo, as melhorias caíram no esquecimento. "A discussão apontou para a necessidade de ações com mais rigor em 2018", pondera Rocha.
Até o dia 23 de abril, os sindicatos irão avaliar em quais plantas frigoríficas será necessário retomar a fiscalização. O coordenador não adianta em quais frigoríficos a ação será retomada. "Até dia 22 vamos ouvir os sindicatos e avaliar. Nosso principal foco são aqueles que não cumprem o estabelecido na NR 36 (a norma regulamentadora do trabalho em frigoríficos), como as pausas na jornada e movimentação de cargas, além de constatarmos se houve cumprimento das determinações do relatório da força-tarefa", explica Rocha.
A avaliação dos sindicatos será encaminhada ao MPT-RS. A intenção é que a mesma equipe que compôs a força-tarefa inicial - que contava, além do MPT, com o Ministério do Trabalho, Fundacentro, CREA, Cerest, com apoio dos sindicatos de trabalhadores na alimentação - seja mantida. "A intenção é reforçar a fiscalização, incluindo frigoríficos pequenos, médios e grandes", frisa Rocha.
A ideia é realizar as vistorias de retorno a partir de abril, até o mês de junho. A partir de setembro devem ser avaliadas novas plantas que não participaram da primeira ação da força-tarefa em 2015 e 2016. 
Representou o Stia/Bagé no encontro, o vice-presidente Cláudio Gomes Gonçalves, os diretores Alceu Berone de Oliveira e Tanira Ramos dos Santos.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...