ANO: 25 | Nº: 6282

José Carlos Teixeira Giorgis

jgiorgis@terra.com.br
Desembargador aposentado e escritor
17/03/2018 José Carlos Teixeira Giorgis (Opinião)

Os jornais dos estudantes de outrora

Noticiam-se, agora, jornais que foram editados por estudantes, universitários ou editados por grêmios e associações dos mesmos no período de 1916 a 1977.

GYMNASIUM. Em verdade uma revista fundada provavelmente em 1920, constituindo-se em órgão didático do Ginásio Nossa Senhora Auxiliadora. Mensário com diversos colaboradores. Era impresso na Casa Maciel. Desconhece-se a data de seu desaparecimento.

PRIMEIRA PEDRA.Criado pelo grêmio de estudantes do Ginásio N.S. Auxiliadora em 1923. Teve vida efêmera. Diversos colaboradores.

O ESTUDANTE. Periódico criado em 1º de maio de 1930 de responsabilidade do Grêmio dos Preparatórios do Ginásio N. S. Auxiliadora com o lema “Sê tu mesmo o juiz severo de todas as tuas ações”. Era dirigido por César Dias Filho, seu inspirador e líder, junto com Egydio Squeff, José Maria Silveira, Luiz Felipe Azambuja e Carlos Gadret (redator). Entre seus colaboradores, além dos referidos, Antonio Xavier Lopes, Darcy Azambuja, Nei Barreto, Hugo Dias, Jerônimo Firpo Filho, Aristides Milano, Darci G. Nogueira e Delfino Figueira. Era quinzenário e tinha sede na rua General Sampaio, nº 57. Circulou até 1931. César, mais tarde, foi juiz inclusive em Bagé, e desembargador. É pai da desembargadora Maria Berenice Dias. Squeff foi médico, poeta e crítico. Gadret foi delegado de Polícia. Dias Lopes, médico, dirigiu revista em Dom Pedrito. Darci Azambuja foi benquisto médico em nossa cidade, presidente do Guarany FC. Milano, advogado e político integralista. Darci Nogueira, médico sanitarista, ruralista e dirigente do Grêmio E. Bagé. Delfino, pecuarista.

A VOZ DO ESTUDANTE. Fundado por estudantes locais em 3 de agosto de 1935 apoiados pelo professor Luiz Antônio Dalbem. Dirigido por Paulo Bidone, sendo gerente Ernesto Costa. Entre os colaboradores estavam, além do professor Dalbem, Otacílio Oliveira, Leonardo Colares e Fernando Brum. Era impresso na Tipografia Minerva. Paulo Bidone foi conceituado e benemérito médico local e líder espírita. Ernesto Costa, escritor, fundador da Academia Bajeense de Letras, dirigiu a Biblioteca Municipal.

O AOÁI. Fundado por um grupo de estudantes. Dirigido por L. Guimarães e José A, sendo redator Leonardo Colares. Semanário impresso na Tipografia Fênix, na rua General Osório, nº 122. Circulou até 1937. Colares, poeta e prosador.

IBAGÉ. Fundado em agosto de 1945 por alunas da Escola Normal Espírito Santo. Era dirigido por Lígia Almeida. Redatora, Dilla Rodrigues. Gerente, Maria Ambrosina Dias. Era um mensário, com diversas colaboradoras. Foi publicado até 1947. Lígia Almeida foi a primeira mulher vereadora em Bagé. Professora, seu nome está no plenário da Câmara Municipal de Vereadores de Bagé.

O CRUZEIRO. Fundado em 8 de fevereiro de 1947 pelo Grêmio Educacional Castelo Branco, redigido por Alcino Pinheiro e Francisco Mata Barreiro, diretores Nei Machado Pinto e Setembrino Pinheiro e Walmir dos Santos. Era impresso na rua Marcílio Dias, nº799 (antiga rua Santa Bárbara). Circulou até 1948. Alcino Pinheiro teve atuação nos meios estudantis.

MEU COLÉGIO. Criado em 29 de junho de 1947 pela direção do Colégio N.S. Auxiliadora, como “meio de estreitar os laços que unem alunos, pais, mestres e ex-alunos”. Mensário com diversos colaboradores que publica um quadro de honra de cada turma e do colégio. Desapareceu, provavelmente, na década de 50.

VOZ DA ESCOLA. Criado em outubro de 1947 pela professora Laura C. Barreto para o Grupo Escolar Silveira Martins. A diretora era a professora Laura Lins Vernet Taborda e gerente a aluna Luíza Leite Ortega. Mensário, com diversas colaboradoras, entre elas Marília Freitas. Desconhece-se o perecimento. Laura Taborda foi esposa do doutor Attila Taborda, mãe de José Geraldo, Dolores, João Afonso, José Átila e Ana Raquel, e faleceu em 1976, após vida exemplar.

A VOZ DA U.B.E.S. periódico fundado em 1º de junho de 1949 pela União Bajeense de Estudantes Secundários, presidida por Vicente Macedo Saraiva. Era dirigido por Celestino Goulart, sendo redatores Ivone Bonorino e Zivér Martil Ritta e gerente Roberto Vaz da Silva, diretor comercial João Henrique Gallo, secretário Carlos Rodolfo Thompson Flores e assistente Alcino Pinheiro. Quinzenário, acreditando-se que desapareceu em 1952. Celestino foi deputado, secretário de Estado e procurador do Tribunal de Contas. Vicente, odontólogo e pecuarista foi também líder da União Estadual de Estudantes. João Henrique é proprietário e diretor da Rádio Difusora. Carlos Rodolfo, advogado, um dos pioneiros da nossa Universidade, diretor da Faculdade de Direito e posteriormente procurador- geral da entidade. Ziver, um dos grandes poetas e sonetistas do estado.

O ÁGUIA. Periódico literário e noticioso fundado em 15 de novembro de 1949 pelo Grêmio Educacional Castelo Branco. Era redator Alcino Pinheiro e secretário Ernani Botti. Tinha sede na rua Sete, nº799, sobrado. Também não se sabe de sua extinção. Botti foi advogado em Porto Alegre e Cônsul da Nicarágua.

O NOSSO LAR. Fundado em maio de 1952 por Frei Graciano, tendo por lema “Obra de menores, para menores, pelos menores”. Quinzenário editado e impresso no Instituto de Menores Hípica. Com dificuldades de publicação teve vida breve (cont.).

Fontes: 1. Memória Histórica da Imprensa de Bagé (1861-1977), obra inédita de Gabriel Pereira Borges Fortes, Fernando Marcos Ronna e João Batista Marçal, cedida ao cronista, que fez acréscimos e atualizações. 2. Escritores do Rio Grande do Sul, de Ari Martins. Ed. URGS, 1978.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...