ANO: 25 | Nº: 6257

Airton Gusmão

redacaominuano@gmail.com
Pároco da Catedral
21/04/2018 Airton Gusmão (Opinião)

Escutar, discernir e viver

“Eu sou o Bom Pastor. O bom pastor dá a vida por suas ovelhas. Conheço as minhas ovelhas e elas me conhecem. Tenho ainda outras ovelhas que não são desse redil: também a elas devo conduzir; elas escutarão a minha voz, e haverá um só rebanho e um só pastor” (Jo 10,11-18).
Neste quarto domingo do tempo Pascal, o domingo do Bom Pastor, acontece o 55º Dia Mundial de Oração pelas vocações. E, para este ano, o Papa Francisco escreveu sua mensagem intitulada: Escutar, discernir e viver a chamada do Senhor.
Trazemos presente alguns trechos dessa mensagem para que a meditemos e rezemos de verdade por todas as vocações.
“A nossa vida e a nossa presença no mundo são fruto duma vocação divina. O mistério da Encarnação lembra-nos que Deus não cessa jamais de vir ao nosso encontro: é Deus conosco, acompanha-nos ao longo das estradas por vezes poeirentas da nossa vida, chama-nos à alegria. Na diversidade e especificidade de cada vocação, pessoal e eclesial, trata-se de escutar, discernir e viver esta Palavra que nos chama do Alto e que, ao mesmo tempo que nos permite pôr a render os nossos talentos, faz de nós também instrumentos de salvação no mundo e orienta-nos para a plenitude da felicidade.
Esses três aspectos – escuta, discernimento e vida – servem de moldura também ao início da missão de Jesus que, na sua visita à sinagoga de Nazaré, põe-Se à escuta da Palavra, discerne o conteúdo da missão que o Pai Lhe confia e anuncia que veio realiza-la ‘hoje’ (Lc 4,16-21).
Escutar: Deus vem de forma silenciosa e discreta, sem Se impor à nossa liberdade. Pode acontecer que a sua voz fique sufocada pelas muitas inquietações e solicitações que ocupam a nossa mente e o nosso coração. Por isso, é preciso preparar-se para uma escuta profunda da sua Palavra e da vida, prestar atenção aos próprios detalhes do nosso dia-a-dia, aprender a ler os acontecimentos com os olhos da fé e manter-se aberto às surpresas do Espírito.
Discernir: Na sinagoga de Nazaré, ao ler a passagem do profeta Isaías, Jesus discerne o conteúdo da missão para a qual foi enviado e apresenta-o aos que esperavam o Messias (Lc 4,18-19). De igual modo, cada um de nós só pode descobrir a sua própria vocação através do discernimento espiritual. Descobrimos que a vocação cristã tem sempre uma dimensão profética. Como nos atesta a Escritura, os profetas são enviados ao povo, em situações de grande precariedade material e de crise espiritual e moral, para lhe comunicar em nome de Deus palavras de conversão, esperança e consolação.
Também nós, hoje, temos grande necessidade do discernimento e da profecia, de superar as tentações da ideologia e do fatalismo e de descobrir os lugares, instrumentos e situações através dos quais Ele nos chama.
Viver: Jesus anuncia a novidade da hora presente, que entusiasmará a muitos e endurecerá a outros (Lc 4,20). A alegria do Evangelho, que nos abre ao encontro com Deus e os irmãos, não pode esperar pelas nossas lentidões e preguiças. A vocação é hoje! A missão cristã é para omomento presente! E cada um de nós é chamado à vida laical no matrimônio, à vida sacerdotal no ministério ordenado, ou à vida de especial consagração.
Realmente esse ‘hoje’ assegura-nos que Deus continua a ‘descer’ para salvar esta nossa humanidade e fazer-nos participantes da sua missão. O Senhor continua ainda a chamar para viver com Ele e segui-lo. Não devemos ter medo.
Escutá-la, discernir a nossa missão pessoal na Igreja e no mundo e vivê-la no ‘hoje’ que Deus nos concede”.
Escutemos sempre a voz de Jesus Bom Pastor e o sigamos como seus discípulos missionários. Rezemos com confiança por todas as vocações. Façamos a nossa parte. Sejamos alegres na esperança, fortes na tribulação, perseverantes na oração e solidários com os que sofrem. Um bom final de semana a todos e até uma próxima oportunidade.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...