ANO: 25 | Nº: 6356

Luiz Fernando Mainardi

luiz.mainardi@al.rs.gov.br
Deputado Estadual
25/04/2018 Luiz Fernando Mainardi (Opinião)

Resista Lula! Resistiremos juntos!

Prezado companheiro Lula,
Tenho acompanhado o verdadeiro calvário a que você está submetido, desde muito antes de sua prisão em uma solitária, no cárcere de Moro, em Curitiba. Enquanto as ações contra você eram apenas persecutórias, com condutas e medidas injustas por parte do juiz paranaense, nutri um sentimento dúbio: de um lado, pensava, era triste e indignante perceber que a ideia de uma justiça equidistante, capaz de julgar com serenidade e objetividade, tratava-se, claramente, de uma ficção nesse caso; de outro lado, esquentava minha mente e meu coração a ideia de que você – e somente você – seria capaz de enfrentar os seus algozes, superar a manipulação dos grandes grupos de comunicação e informar ao povo o que acontecia, saindo dessa com as mesmas convicções e com a mesma capacidade de nos mobilizar e nos dar forças para enfrentar essa nova situação política do Brasil gerada pelo impedimento de Dilma.
Sua prisão, entretanto, foi capaz de entristecer-me profundamente. Acompanhei a sua resistência e a de milhares de militantes de nosso partido e da esquerda pelas redes e pela televisão. Imaginei as conversas, pedi informações para meus companheiros conhecidos que lá estavam juntos contigo, torci para que tudo ocorresse de forma que sua dignidade – a coisa mais importante para qualquer ser humano – fosse mantida intacta. Sofri, como sofreram os milhões de simpatizantes que tens em todo o Brasil. Mas também me alegrei, ao ver que você, apesar de toda a campanha destrutiva que sofreu da grande mídia, era capaz de se impor a ela e agregar simpatia e apoio do povo, era capaz de criar um símbolo muito mais forte do que o que eles tentaram fazer com sua detenção. De certa forma, sua prisão se tornou um símbolo não da justiça, mas da injustiça que fazem contra você.
Hoje, vemos com muito mais racionalidade e clareza, o verdadeiro objetivo do golpe: ao impedirem Dilma, de forma inconstitucional e agressiva, com apoio de todos os grandes grupos capitalistas do País, pretendiam, na verdade, impedir um campo político inteiro, aquele campo político que foi capaz de demonstrar, com ousadia e capacidade de concertação, que o Brasil tinha jeito e que era possível incluir o povo brasileiro em um projeto de desenvolvimento. Ao impedirem Dilma, queriam criar as condições, na verdade, para calar a sua voz, calar a voz do povo, que, é certo, constitui o grande e forte alicerce das transformações que precisam ser continuadas a partir dos avanços que obtivemos nos 13 anos de governo do PT.
É esta luta que está em curso, companheiro Lula. Tentam, com sua prisão, retirar nosso principal líder do campo de batalha. Como disse o companheiro Flávio Koutzzi, que sofreu a experiência das prisões argentinas após o golpe de Estado que lá se fez, montam, no cárcere, uma verdadeira “engrenagem de destruição física e psíquica”, com proibições de contatos com seus amigos (ou alguém imagina que você não tem relações de amizade com seus companheiros de luta e militância?), com a imposição de uma vida solitária que o impeça até de falar, de forma a que os grandes meios possam continuar impondo as suas versões sobre o que você pensa ou deixa de pensar.
Presidente Lula, eu sei que a vida está dura aí dentro desta masmorra. Principalmente, porque você deve estar sentindo aquela raiva que se abate a todo o injustiçado. Mas saiba, presidente, que a vida aqui fora também está dura. É claro que é incomparável com a sua situação, mas aqui continuamos observando os golpistas destruírem, um a um, aos poucos, mas de forma sistêmica, as conquistas que obtivemos nessa vida de lutas que compartilhamos. Volta a crescer a pobreza extrema, diminuem o acesso ao Ensino Superior público, cresce a intolerância e o fascismo.
Aqui no Rio Grande do Sul, desmontam o Polo Naval que você trouxe, cortam verbas das universidades públicas que você criou, desligam famílias dos programas de assistência que você formulou, impõem uma gestão pública (que contamina, também, o âmbito estadual) submetida a essa tal de austeridade, que proíbe ampliação de investimentos públicos, o que significa, praticamente, dizer aos pobres: lixem-se. A vida está dura, presidente Lula, mas o povo resiste, porque você continua sendo o preferido dos milhões de brasileiros que querem continuar a melhorar de vida, você continua sendo o escolhido para fazer o Brasil voltar aos trilhos da justiça, da paz e da liberdade.
Por tudo isso, presidente, peço que você concentre todas as suas energias para resistir. Não se trata, companheiro Lula, de algo para a história, mas para nosso futuro imediato. Nós estamos, na medida das possibilidades de cada um de nós, resistindo junto, mobilizando o povo que confia em você, demonstrando as injustiças que você sofre e lutando contra elas. Aqui, de fora do cárcere, companheiro Lula, estamos todos presos juntos com você. Você continua sendo a nossa esperança, a nossa força, o líder da nossa resistência. Resista presidente Lula. Resistiremos junto com você, até a sua liberdade.

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...