ANO: 25 | Nº: 6209

Fernando Risch

fegrisch@gmail.com
Escritor
27/04/2018 Fernando Risch (Opinião)

Eu odeio errar

Se tem uma coisa que eu aprendi na vida é me calar. Essa talvez seja a maior lição que um ser humano possa adquirir na pós-modernidade. Não que eu me cale constantemente, não. Falo em rádio, escrevo em jornal e na internet. Aprendi a ficar quieto quando não sei do que estou falando, isso sim. Claro, tem vezes que não sei que estou falando de algo que não domino, mas acredite, eu me cobro nesse quesito.  
 
A vergonha de expor fatos falsos, comentar sem propriedade, esbravejar por esbravejar, causa uma humilhação indescritível, geralmente precedida de um sermão fugaz e didático de alguém que se obrigou a sair da moita para levantar-me o dedo.
 
Não foi fácil. Demorou muito. Imagine você se todos se calassem quando não têm o que dizer. A palavra, dita ou falada, viria com mais utilidade. Creio que meu ponto de ruptura tenha sido estudar Bauman, um gênio da sociologia, que soube tecer com precisão nossos tempos. Seus livros são chatos e um pouco difíceis. Esforcei-me lendo. Para nos calarmos, precisamos nos esforçar.
 
Mas eu falo e escrevo. E falo e escrevo diariamente. E vez ou outra, ou constantemente, eu erro. E como eu odeio errar. Odeio errar não porque luto para ter razão, isso independe dos fatos, isso depende de visão; odeio errar pela vergonha de não ir profundamente a um assunto o suficiente e ter que ser corrigido, mesmo que educadamente.  
 
Errei nesta semana. Bem, não necessariamente um erro, mas me expressei mal, sem ir ao fundo no assunto, sendo superficial. E ser superficial é a pior coisa que existe. Fui corrigido, com polidez e paciência. Redimi-me. Mas, há um lado bom nisso. Essa humilhação pela ignorância me faz evoluir, me ajoelhar ao erro, me submeter ao interlocutor e estudar os fatos.
 
E eu posso cometer muitos erros, mais erros do que o normal, mas uma coisa em mim jamais estará errada: a mutabilidade constante de pensamento. Apresente-me os fatos, dobre-me em argumentos e, se eu pensar estar errado, mudarei de vista sem chorar.

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...