ANO: 25 | Nº: 6458
15/05/2018 Cidade

Bagé tem mais farmácias do que o recomendado pela OMS

Foto: Tiago Rolim de Moura

Em média, 15 estabelecimentos seriam suficientes para atender a demanda
Em média, 15 estabelecimentos seriam suficientes para atender a demanda
Uma situação que se repete em grande parte dos municípios brasileiros pode ser conferida também em Bagé. Segundo informações da Vigilância Sanitária, o município conta com 48 drogarias, sendo três públicas. O número extrapola a orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS), que recomenda a proporção de uma farmácia para cada oito mil habitantes. Em média, a Rainha da Fronteira conta com uma farmácia para cada 2,5 mil moradores. Nesse caso, 15 estabelecimentos seriam suficientes para atender à população bajeense, com base na recomendação da OMS.
Para a professora do curso de Farmácia da Universidade da Região da Campanha (Urcamp), Patrícia Albano Mariño, o número excessivo de drogarias é uma realidade em todo o Brasil, visto que não existem políticas e legislações que limitem a abertura destes estabelecimentos. Ela ressalta que o Brasil é o quinto mercado mundial de medicamentos, mesmo sendo um país em desenvolvimento. Ainda de acordo com Patrícia, estes dados, muitas vezes, tornam a farmácia um comércio, com guerras de preços e promoções que induzem ao consumo de medicamentos e à automedicação. Por isso, é importante atentar para a presença de profissionais habilitados.


Alerta para consumo
No Brasil, existe uma farmácia (ou drogaria) para cada 3,3 mil habitantes. O País está entre os 10 que mais consomem medicamentos no mundo, segundo dados do Conselho Federal de Farmácia. O acesso a farmácias e drogarias e a facilidade na aquisição de medicamentos no popularmente conhecido "balcão da farmácia", pode promover um aumento no consumo de medicamentos.
Para especialistas, o consumo nacional de medicamentos estaria relacionado ao difícil acesso aos serviços de saúde; ao hábito do brasileiro em fazer automedicação, e ao fato do medicamento ser considerado uma mercadoria que pode ser adquirida e consumida sem a orientação devida. De acordo com estimativas da OMS, cerca de 50% dos usuários de medicamentos o faz de forma incorreta.
Os medicamentos de maior uso pela população brasileira são anticoncepcionais, analgésicos, descongestionantes nasais, anti-inflamatórios e alguns antibióticos, adquiridos no balcão da farmácia, sem dificuldade. Para especialistas, a população precisa atentar para o uso desses medicamentos, pois a utilização inadequada de antibióticos, por exemplo, pode causar resistência do organismo a substâncias que tratam infecções ou doenças que precisam de remédios nesta linha.


Mercado em expansão
De acordo com a coordenadora do curso de Farmácia da Urcamp, Cíntia Lima Ambrózio, algumas resoluções que amparam a atuação do profissional farmacêutico dentro dos estabelecimentos visam reduzir o consumo exagerado e incorreto pela população. “O farmacêutico é o profissional da saúde especializado no medicamento em todas as etapas, desde sua produção até a dispensa”, salienta.
A coordenadora ressalta que é importante que a população reconheça este profissional dentro das farmácias e exija a presença dele para sanar suas dúvidas sobre o uso correto dos remédios.
Cíntia destaca que o mercado de trabalho para o farmacêutico está expandindo cada vez mais, e hoje existem mais de 70 possíveis áreas de atuação. “A maioria dos profissionais atua em farmácias, pois a necessidade nessa área é grande. O farmacêutico é o único profissional que pode ser responsável técnico nesses estabelecimentos”, enfatiza.


Perfumaria e cosméticos
O farmacêutico e presidente da Rede de Farmácias Associadas, que conta com cerca de 850 lojas no Estado, Ricardo Duarte da Silveira, revela que, segundo dados da Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), em torno de 40% da comercialização das empresas do ramo não é proveniente de medicação, e sim de cosméticos e perfumarias.
Silveira questiona a orientação da OMS sobre o número de farmácias e ressalta que o Brasil investe quatro vezes menos que em medicamentos que os Estados Unidos. Para ele, a automedicação não é proveniente da quantidade de farmácias, mas pela falta de orientação das pessoas quanto ao uso dos produtos. “Como não há médicos e enfermeiros, na rede pública, disponíveis para dar orientação, as pessoas ingerem os medicamentos de forma equivocada”, acredita.

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Em tempo real

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...