ANO: 24 | Nº: 6085
19/05/2018 Cidade

Escola Antenor Gonçalves Pereira completa 61 anos

Foto: Tiago Rolim de Moura

Instituição foi inaugurada em 18 de maio de 1957
Instituição foi inaugurada em 18 de maio de 1957

A única instituição municipal a oferecer curso profissionalizante em Bagé, a Escola Antenor Gonçalves Pereira (Geteco) completou 61 anos na sexta-feira, 18 de maio. Na atualidade, o local conta com cerca de 1,2 mil alunos, sendo 450 em seus cursos técnicos e 750 no Ensino Fundamental.

Conforme o diretor dos cursos de formação profissional, Sandro Colares, a escola, que atende estudantes de toda a região, tem uma média de 100 formandos por ano em seus cursos de nível técnico. Semestralmente, a instituição oferece vagas para turmas de cursos técnicos em Administração, Contabilidade, Secretariado e Gestão Imobiliária.

Colares destaca que a maioria dos estudantes terminam a capacitação já inseridos no mercado de trabalho, fora que grande parte inicia suas experiências a partir do primeiro semestre na instituição, através de estágios ou propostas de emprego.

O diretor do Ensino Fundamental da escola, Rafael Alves, destaca que a instituição tem o objetivo da preparação integral dos alunos, não apenas educando-os formalmente, mas também buscando ensiná-los a ter pensamento crítico sobre assuntos em pauta na atualidade. Todos os anos, a instituição forma de 80 a 100 estudantes no Ensino Fundamental.

A escola conta com atividades extracurriculares. Atualmente, a comunidade escolar está inserida em um projeto de incentivo à paz. O diretor afirma que, a partir do segundo semestre, os alunos participarão de um ciclo de palestras especiais contendo temáticas como o bullying e os tipos de preconceitos. “Nossa intenção é torná-los mais críticos com esses assuntos, para que possam ser cidadãos melhores”, explica.

 

Histórico

Inicialmente com o nome de Escola Técnica de Comércio de Bagé, a instituição foi autorizada a funcionar em 1957, oferecendo curso técnico em Contabilidade. O nome de Antenor Gonçalves Pereira foi escolhido porque ele, junto a colegas profissionais de contabilidade, lutou pela implantação dos cursos técnicos em Bagé.

Até ter prédio próprio, a instituição funcionou no então Grupo Escolar Silveira Martins e Monsenhor Costábile Hipólito. A sede da escola foi finalizada somente em 1974. Em 2001, a instituição foi encampada pelo município e funciona nos turnos da manhã e tarde com Ensino Fundamental, atendendo, em média, 750 alunos. À noite, funcionam as capacitações técnicas, onde 450 estudantes frequentam os cursos de Administração, Contabilidade, Secretariado e Gestão Imobiliária.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...