ANO: 24 | Nº: 6158

Dilce Helena Alves Aguzzi

dilcehelenapsicologa@gmail.com
Psicóloga
29/05/2018 Dilce Helena Alves Aguzzi (Opinião)

Fim de relação

Após terminada uma vida em comum, é natural a vivência de momentos difíceis e, muitas vezes, confusos. Existe a alternância entre alívio, euforia, tristeza e depressão. Por algum tempo, este repertório de emoções aflitivas pode fazer parte do seu cotidiano. Mas, muito cuidado, não é para se acostumar e interpretar separação como sinônimo de tristeza.

A hora em que uma relação é finalizada pode ser percebida também como um início e, como tudo, começo, cheio de tropeços e aprendizados. Algumas vezes há vacilo em relação à decisão tomada ou arrependimentos.

Constatada a falência da relação, ou seja, não existe mais o interesse espontâneo dos dois em uma vida conjunta, não há outro jeito senão cuidar de si e fazer tudo para voltar a se sentir feliz e inteiro.

Sem depender do tempo de vida do relacionamento, a sensação de perda depois de seu fim pode ser muito forte, como se faltasse um pedaço de si mesmo. É o momento para assumir responsabilidade, percebendo-se como alguém que precisa de cuidados especiais para cicatrizar feridas que ficaram e ganhar energia para dar novos rumos à própria vida. Entretanto, não adianta sair procurando por alguém que cuide de você. Tais cuidados são um compromisso que você deve assumir por si, sozinho.

Nesta hora algumas atitudes podem ajudar muito:

- Encare momentos difíceis como transitórios. Lembre-se, tudo passa.

- Faça da sua casa o melhor lugar do mundo. Ocupe-se tornando seu espaço um lugar bom de ficar e que reflita seu momento individual.

- Invista em novos hábitos. É hora de rever projetos que a relação deixava de lado.

- Não sinta culpa em procurar se divertir. Existe hora para chorar, mas é bom investir em bons momentos e companhias que trazem alegria.

- Confie. Momentos bons, porém diferentes, vão voltar a fazer parte de sua vida.

- "Desmisture-se". O casamento pode criar uma imagem de unidade com o cônjuge, o que leva, muitas vezes, a despersonalização, uma mistura onde gostos e preferências individuais vão dando lugar ao casal. Terminada a relação, uma ótima ocupação mental é se redescobrir, desmisturar, desfazer a mistura com o outro e voltar a ser alguém, indivíduo. Descobrindo o que quer, do que gosta e não gosta. Para isso deve-se fazer o exercício da paciência e permitir-se tempo até redescobrir a alegria de ser sozinho.

OLHO

"Não adianta sair procurando por alguém que cuide de você"

Deixe seu comentário abaixo

Em tempo real

Outras edições

Carregando...