ANO: 24 | Nº: 6038
11/07/2018 Cidade

Dudu e ex-secretários são condenados por improbidade administrativa ambiental

Foto: Arquivo JM

Ex-prefeito disse acompanhar os procedimentos
Ex-prefeito disse acompanhar os procedimentos

Atendendo pedido do Ministério Público(MP) em ação civil pública, a Justiça condenou o ex-prefeito de Bagé, Luís Eduardo Dudu Colombo dos Santos, e os ex-secretários do Meio Ambiente do município, Carlos Alberto Gularte Fico e Amaro Dias Robaina, por improbidade administrativa ambiental. A informação foi publicada, ontem, no site do MP gaúcho.

Conforme o promotor de Justiça Éverton Resmini Menezes, autor da ACP, os condenados permitiram que o aterro sanitário de Bagé se transformasse em um lixão a céu aberto, acarretando em um local de poluição ambiental e risco à saúde pública.

O promotor explica, na ação, que a licença de operação da Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luís Roessler (Fepam) ficou suspensa entre 2013 e 2015 e tanto o prefeito na época quanto os ex-secretários permaneceram inertes. “Mesmo com o esgotamento da 5ª célula de recebimento de resíduos sólidos, o aterro sanitário de Bagé continuou em funcionamento normal, ocasionando significativo impacto local”, disse.

Dudu Colombo terá que pagar multa no valor correspondente a 25 vezes a remuneração do cargo de prefeito. Já os demais, 25 vezes o cargo de secretário municipal do Meio Ambiente, valor corrigido pelo IPCA desde a data da sentença, acrescidos a juros de 1% ao mês. Todos estão impedidos de contratar com o Poder Público e receber incentivos ou benefícios fiscais e creditícios, direta ou indiretamente, ainda por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de três anos, a partir do trânsito em julgado.

Contraponto

Os envolvidos, Colombo, Robaina e Fico, ainda não foram informados sobre a decisão oficialmente. Os três ressaltaram que pretendem recorrer em outras instâncias do Judiciário. Robaina deve falar sobre o tema posteriormente. Colombo comentou que está seguindo todos os procedimentos e se manifestando durante o processo.

Já Fico salientou que Bagé é um dos poucos municípios do País que deu prioridade para o aterro sanitário, enquanto 80% dos municípios têm lixo a céu aberto. Ele disse que esteve 10 meses frente à Secretaria do Meio Ambiente, de forma interina, e agora a condenação aplica uma multa com 25 meses de salário. “É um absurdo. Estou triste porque tanto o Ministério Público quanto o Judiciário deveriam ter bom senso nos julgamentos”, frisou.

O ex-secretário ainda ressaltou que o lixo sempre foi tratado e todas as obrigações do município foram cumpridas. “As pessoas com seriedade estão deixando de participar da política por esse tipo de julgamento. Condenam de uma forma muito fácil”, disse.

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...