ANO: 25 | Nº: 6255

Rochele Barbosa

rochelebarbosa@gmail.com
Jornalista formada pela Universidade da Região da Campanha. Responsável pela produção e reportagem do caderno de Saúde do Jornal MINUANO
16/07/2018 Caderno Minuano Saúde

Atuação do enfermeiro na atenção à saúde da comunidade

Foto: Divulgação

página 2 ou 3
página 2 ou 3

Por séculos, a Enfermagem foi percebida como uma engrenagem de produção de cuidado mecanizado e pouco evoluído. No entanto, nos dias atuais, a equipe de enfermagem, liderada pelo profissional enfermeiro, passa a ter maior visibilidade no cenário nacional de atenção à saúde.

O curso de Enfermagem tem duração de 10 semestres, preparando o aluno para atuar em diversas áreas, como assistência, gerenciamento, pesquisa e ensino. É impossível adentrar em uma unidade hospitalar ou Unidade de Atenção Básica sem visualizar o profissional, geralmente identificado por seu acolhimento, conhecimento e jaleco azul.

Porém, é na atenção básica que o enfermeiro tem seu vínculo com a comunidade aumentado, pois realiza consultas, pré-natal, coletas de exame preventivo de colo do útero, atenção domiciliar, orientação para o autoexame de mamas, testes rápidos, entre outros. Nessa prática, o profissional tem o desafio de implementar o cuidado em enfermagem, construindo relações interpessoais de diálogo, escuta, humanização e respeito.

Nesta edição, o professor e enfermeiro Cristiano Santos explica esse importante trabalho de cuidado e atenção à saúde da comunidade.

 

Atenção básica à saúde da comunidade

 

A Atenção Básica (AB) caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrange a promoção e a proteção da saúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação e a manutenção da saúde. É o contato preferencial dos usuários com os sistemas de saúde. Orienta-se pelos princípios da universalidade, da acessibilidade e da coordenação do cuidado, do vínculo e continuidade, da integralidade, da responsabilização, da humanização, da equidade e da participação social.

O paradigma em saúde, ainda pautado nos agravos de ordem fisiológica, focado na doença, nos procedimentos técnicos e ações curativas, ainda faz parte do contexto do cuidado de enfermagem, ressalta o enfermeiro. “Contudo, o enfermeiro vem procurando ampliar sua atenção, envolvendo o indivíduo como centro de atenção, mas dentro de um contexto sociocultural familiar, pois é nesse lócus que se originam os principais agravos de saúde da pessoa que procura o serviço”, destaca.

O professor salienta, também, que o cuidado em saúde é representado pelos valores do toque, do olhar e da escuta, ultrapassando as dimensões das práticas técnicas. “Historicamente, o cuidado em saúde evoluiu de técnicas estritamente curativas e individualizantes para práticas integrais e coletivas. Os cuidados do enfermeiro eram voltados basicamente para a cura das doenças, o que criava uma dicotomia entre o ser repleto de angústias, dúvidas e anseios e a patologia que ele portava. Porém, a partir da introdução de novos conceitos, como a Teoria Biopsicossocial, passou-se a considerar a importância dos aspectos biológicos, psicológicos e sociais do indivíduo e do coletivo e a valorizar as individualidades e singularidades, inerentes a cada ser humano”, diz.

 

Cuidados

O profissional afirma que se pode inferir que as práticas de cuidado do enfermeiro na atenção básica ganham significado importante, pois é neste campo que muitos contextos expressam-se claramente, refletidos através da aproximação social e cultural com a comunidade. “Consequentemente, as necessidades de saúde são identificadas in loco, o que pode proporcionar o desenvolvimento de práticas de cuidado mais coerentes e eficazes”, ressalta.

Santos explica que enfermeiro compõe a Equipe de Saúde da Família (ESF), que é estratégia prioritária de atenção à saúde e visa à reorganização da Atenção Básica no País, de acordo com os preceitos do Sistema único de Saúde (SUS). “Em sua proposta, visa a expansão, qualificação e consolidação da Atenção Básica, por favorecer uma reorientação do processo de trabalho com maior potencial de ampliar a resolutividade e impactar na situação de saúde das pessoas e coletividades, além de propiciar uma importante relação custo-efetividade”, salienta.

Cabe ressaltar que a situação da saúde brasileira vem mudando, e hoje se caracteriza por uma transição demográfica acelerada e se expressa por uma situação de tripla carga de doenças – quais sejam, a agenda não superada de doenças infecciosas e carenciais, a carga importante de causas externas e a presença hegemônica de condições crônicas - o que sintetiza uma situação de saúde que não poderá ser respondida adequadamente por um sistema de atenção à saúde ainda demasiado fragmentado, reativo, episódico e voltado, prioritariamente, para o enfrentamento das condições agudas e das agudizações das condições crônicas, argumenta o profissional.

“Nesse contexto, o enfermeiro passa a atuar precocemente, promovendo, recuperando e mantendo a saúde de sua comunidade, por meio de ações assistenciais e de educação em saúde, para que essa pessoa ou comunidade possa ter sua saúde preservada, favorecendo a qualidade de vida e o bem-estar, diminuindo a possibilidade de agravos de saúde e a necessidade de cuidados em nível hospitalar”, conclui. 

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...