ANO: 25 | Nº: 6330

Dilce Helena Alves Aguzzi

dilcehelenapsicologa@gmail.com
Psicóloga
17/07/2018 Dilce Helena Alves Aguzzi (Opinião)

Confinados externados

Quantas ideias, pensamentos, sentimentos e visões de mundo são guardadas a sete chaves e jamais vem a público? Quantos pensamentos interessantes, originais e consequentemente inspiradores passam por nosso crivo da autocrítica ou do receio ao veto alheio e por conseguinte não são externalizados?

É bem verdade que muitos conteúdos de nossas mentes não merecem mesmo vir à tona, ou ficam bem melhores no recôndito de nosso silencioso e sábio inconsciente ou zeloso superego, que ao cumprir seu papel, não permite a exposição. Mas refiro-me ao corajoso exercício de tornar gesto o que antes era imaterial, deixar registro de algo que se pensa ou sente. Talvez seja o dilema da atualidade que, muitas vezes, insiste em tornar público o que é privado e manter escondido o que deveria ser domínio de todos.

O fato é que pensar em escrever, expressar, já é, por si só, libertador, pois faz um misto de organizar o pensamento, pôr as coisas em perspectiva e proporcionar catarse mesmo que o escrito jamais saia da gaveta ou dos arquivos do computador pessoal. No meu caso, muitas vezes, caminhando pela rua ou ouvindo música durante o banho, desenvolvo mentalmente todo o texto desta coluna, o que algumas vezes realmente escrevo e publico, mas, na maioria das vezes, nem sequer lembro da ideia que tive ou acredito ser muito ruim e acabo descartando.

Conteúdos externados, conteúdos confinados. Esse foi o tema de uma conversa muito agradável com os autores do livro "Confinados Externados", na Livraria Caminhos, no último sábado. Projeto interessante e louvável por inspirar e incentivar pessoas de várias idades e visões a expor um pouco de seus mundos e conteúdos através da escrita. Terapêutico, bonito, coerente e necessário. São 15 poetas escritores, mas o projeto está aberto para mais, segundo informa o escritor Eliéser Moura.

Aqui vai uma pequena amostra:

Grandes Atos, de Luighi Cabral

Os pequenos se tornam grandes

Pelas pequenas coisas que fazem.

Os grandes tornam-se enormes

Pelas pequenas coisas que fizeram

Eles tornarem-se quem são.

Então, não deixe de fazer cada detalhe,

Isso não é perfeccionismo

É amor por aquilo que se importa.

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...