ANO: 24 | Nº: 6014

Divaldo Lara

divaldolara@gmail.com
Prefeito de Bagé
06/08/2018 Divaldo Lara (Opinião)

O anel que sela compromisso entre governo e população

Na tarde de sábado, iniciamos com uma caminhada, a entrega de mais uma obra histórica aos bajeenses. O trajeto no novo asfalto do Anel Rodoviário, reuniu governo, comunidade, empresa contratada e todos que, de uma forma ou outra, contribuem para o sucesso desse objetivo.
Entendi, nesse momento, que avançávamos em mais um importante passo, o da união dos bajeenses com o governo por aquilo que é seu, quase como uma troca de alianças. Esse é nosso maior desafio e onde reside nossa força. Apesar de parecer óbvio, é algo importante destacar.
O anel rodoviário era uma obra aguardada por quase 30 anos pela população, sobretudo dos bairros que fazem o seu entorno como a Vila Gaúcha, Ibajé, Santa Cecília, Floresta e Stand. E todos estiveram lá, em um evento lotado e marcante para guardar o momento.
Um projeto que passou tanto tempo existindo somente no papel, vira quase algo imaginário para as pessoas e isso afeta a autoestima pessoal e coletiva de uma cidade. Ao inaugurarmos uma obra assim, oferecemos muito mais do que um acesso de qualidade para ruas, mas o sentimento de poder, de ser capaz de realizar.
Quando nosso governo realiza algo por nossa cidade, faço sempre questão de envolver nossa população fazendo-a contribuir de alguma forma e assim, firmar o entendimento de pertencimento à cidade. Bagé é a nossa casa, é o nosso lar. E isso não se limita ao espaço interno das nossas residências. As ruas por onde andamos, praças e todos os locais públicos, fazem parte do nosso dia a dia e, portanto, da nossa vida.  
Durante as manifestações no evento, uma pergunta feita pelo líder comunitário do Bairro Santa Cecília, Sr. Jesus Borges, me chamou atenção. Ele me questionava, inteligentemente já sabendo qual seria a resposta, se eu não estava cansado de inaugurar obras, referindo-se ao nosso curto espaço de tempo de governo e a quantidade de conquistas já realizadas pelos bajeenses. A ele e à nossa população respondo: não estou cansado e, pelo contrário, com vontade de realizar muito mais!
Outros tantos casos particulares chegaram a mim nos últimos dias, mostrando o quanto uma realização de governo, pode interferir positivamente, na vida direta das pessoas, seja na ampliação de um negócio ou até mesmo na saúde, ambos afetados pela poeira de tanto tempo e que agora está reduzida com o asfalto.
No caso específico do anel rodoviário, entregar algo dessa magnitude, só é possível com união. Não há um pai para a obra, mas arrisco dizer que existiu uma mãe. A luta constante da líder comunitária, Estela Pereira, da Vila Gaúcha, se destaca pela continuidade e a crença de que vale a pena lutar pelos nossos sonhos, torná-los objetivos e não medir esforços até vê-los realizados.  
E como chegamos lá? Com esforço dobrado, pois é preciso trabalhar duplamente quando uma obra é iniciada e parada. Isso representa custos maiores para readequar um projeto inicial não cumprido. Um dos fatores que contribuiu para hoje entregarmos essa realidade para os moradores foi termos, logo após vencido o período eleitoral, nos deslocado a Brasília para que não perdêssemos os recursos e nem tivéssemos que devolver R$ 4 milhões, oriundos do projeto que estava parado e praticamente perdido.
Uma verdadeira aliança foi trocada, ontem, entre governo e população, ao melhor estilo dos casamentos, representando a união para que consigamos lutar, entregar e conservar aquilo que nos pertence.

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...