ANO: 25 | Nº: 6362
18/08/2018 Cidade

A bicicleta nos planos da mobilidade urbana de Bagé

Foto: Jaqueline Muza/ Especial JM

Incentivo à prática é vista como alternativa para diminuir fluxo de automóveis nas vias da cidade
Incentivo à prática é vista como alternativa para diminuir fluxo de automóveis nas vias da cidade

por Lauren Brasil
Acadêmica de Jornalismo da Urcamp

O Plano Diretor de Mobilidade Urbana de Bagé projeta contemplar iniciativas para melhorar a estrutura cicloviária e incentivar o uso da bicicleta como meio de transporte. Elaborado em 2015 e aprovado em 2018, uma das propostas inseridas no documento é criar um modelo de mobilidade sustentável, investindo em estruturas específicas, que promovam ganhos ambientais, econômicos, sociais e de saúde aos usuários dos espaços.

De acordo com o secretário de Segurança e Mobilidade Urbana, Luís Diego Soares, a primeira medida colocada em prática foi a modificação de uma quadra do estacionamento da avenida General Osório, de oblíquo para paralelo, deixando a via mais larga e possibilitando a realização de uma ciclofaixa, que vai fazer a ligação da avenida Espanha até o trevo do anel rodoviário, próximo ao ginásio Militão. "Não temos como mudar a estrutura de uma hora para outra, mas, dentro das condições que a gente tem, a principal ideia, hoje, em termos de investimento nessa área, é a construção da ciclofaixa na general Osório. Nós vamos praticamente atravessar a cidade, toda a área central com certeza", ressaltou.

O titular da pasta também comentou que outro ponto que vai receber investimento em estrutura cicloviária é a avenida Attila Taborda e que o programa prevê todas as obras de pavimentação, pontes, adaptações e mudanças no trânsito que são realizadas com base em estudo técnico.

Para o presidente do Clube Audax Bagé, Heron Regert, o plano deve proporcionar uma estrutura adequada, proporcionando segurança para que os ciclistas possam percorrer o trajeto sem temer possíveis acidentes. Para ele, desse modo, a proposta vem a somar para o ciclismo. "Aos reais usuários, se ela for bem planejada, a gente só tem a ganhar", destacou.

A mobilidade sustentável está crescendo cada vez mais, em especial devido aos diversos benefícios que traz para as cidades. Em Bagé, existe uma grande defasagem estrutural no trânsito, que hoje é resulta em uma dificuldade, em termos de mobilidade dos veículos. Nesse cenário, as bicicletas podem ser uma alternativa barata e de grande vantagem, já que aumentando o número de usuários diminuem o número de automóveis, assim, auxiliando na mobilidade.

Outro projeto que está em desenvolvimento, e que atende ao programa nacional Cidades Sustentáveis, é a ciclofaixa internacional do Pampa Gaúcho, a primeira entre fronteiras da América. A pauta está sendo trabalhada pelo secretário do Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação, Bayard Paschoa Pereira, e enseja a construção de uma rota turística, visando consolidar os atrativos existentes ao longo do trajeto.

Segundo o titular da pasta, o percurso abrange a rodovia transbrasiliana entre Bagé e Aceguá e, em sequência, até o Departamento de Cerro Largo, somando 120 quilômetros de ciclofaixa.

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...