ANO: 24 | Nº: 6039

Airton Gusmão

redacaominuano@gmail.com
Pároco da Catedral
07/09/2018 Airton Gusmão (Opinião)

A vida é uma missão

“Eu sou uma missão nesta terra, e para isso estou neste mundo. É preciso nos considerar como que marcados a fogo por essa missão de iluminar, abençoar, vivificar, levantar, curar, libertar” (Evangelho da Alegria, nº 273).
Ouvimos que o Evangelho em que Jesus chama os Doze e os envia dois a dois, dando-lhes poder sobre os espíritos impuros. Em sua missão os apóstolos pregavam para que todos se convertessem, expulsavam muitos demônios e numerosos doentes eram curados e ungidos com o óleo (Mc 6,7-13). Poderíamos nos perguntar: qual é a missão da Igreja, dos cristãos e, o que é evangelizar?
A Evangelização de todas as pessoas em todo o mundo é a vocação própria da Igreja; ela existe para isso. Porém, precisamos superar uma mentalidade fechada e egoísta de que a Igreja é somente o padre, o bispo, a religiosa, a catequista, o ministro da comunidade. Não, Igreja é todo o povo de Deus que nasceu da graça do Batismo; fomos acolhidos como filhos e filhas de Deus, os que colocaram a sua esperança em Cristo.
Uma importante Exortação Apostólica do Papa Paulo VI, sobre a evangelização no mundo contemporâneo, diz: “A tarefa de evangelizar todos os homens constitui a missão essencial da Igreja. Evangelizar constitui, de fato, a graça e a vocação própria da Igreja, a sua mais profunda identidade. Ela existe para evangelizar; ela nasce da ação evangelizadora de Jesus e dos Doze” (nº 14 e 15).
Quando Jesus enviou os doze, dando-lhes autoridade e poder para curar os doentes e expulsar os demônios, também pediu a eles que, na sua missão, fizessem o convite à conversão. A Exortação Apostólica de Paulo VI, que já citamos, nos ajuda a compreender este convite da Palavra de Deus anunciada na evangelização.
Sobre esta conversão, a que o anúncio do Evangelho convida, o texto nos diz: “Não haverá humanidade nova, se não houver em primeiro lugar homens novos, pela novidade do batismo e da vida segundo o Evangelho. A finalidade da evangelização é, portanto, esta mudança interior, que procura converter ao mesmo tempo a consciência pessoal e coletiva dos homens” (nº18).
Pela graça do Batismo atua em todos os cristãos a força santificadora do Espírito que exige de todos a missão de serem evangelizadores; com a consciência de que somos discípulos missionários e que, portanto, não podemos delegar aos outros aquilo que é missão de cada um de nós, que fizemos ou estamos procurando realizar a experiência do encontro com o amor de Deus em Jesus Cristo.
Aquilo que Jesus pediu um dia aos apóstolos, que saíssem a evangelizar, a anunciar a Boa Nova do Reino, ele pede hoje a cada um de nós que nos dizemos cristãos; pois, a alegria do Evangelho que precisa ser anunciada, acolhida e vivida, não é uma excitação alienada ou um bem-estar espiritual. É a promessa de um mundo novo que já está presente no meio de nós, mas ainda não na sua plenitude.
O Papa Francisco, em sua última Exortação Apostólica sobre o caminho para a santidade, afirma, falando da missão de todos nós: “Poderá porventura o Espírito Santo enviar-nos para cumprir uma missão e, ao mesmo tempo, pedir-nos que fujamos dela ou que evitemos doar-nos totalmente para preservarmos a paz interior? Obviamente não. Esquecemo-nos de que não é que a vida tenha uma missão, mas a vida é uma missão” (nº 27).
Façamos a nossa parte. Sejamos alegres na esperança, fortes na tribulação, perseverantes na oração e solidários com os que sofrem. Um bom final de semana a todos e até uma próxima oportunidade.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...