ANO: 26 | Nº: 6523

Viviane Becker

viviminuano@hotmail.com
Colunista social do Jornal Minuano, Viviane Becker é experiente jornalista de geral e conhecida editora do caderno de variedades Ellas.
14/09/2018 Caderno Ellas

Por que os Pets têm mais importância na rotina humana nos dias de hoje?

Ah, esses serzinhos são demais...

Quem não opta pela sua companhia não pode deixar de reconhecer a diferença que eles fazem na vida de outros seres, que por carência afetiva, admiração, solidariedade, solidão ou outro motivo optaram por tê-los sempre por perto.

A companhia é um benefício inquestionável, quem tem um animalzinho em casa nunca está sozinho, nem que queira, eles gostam de gente com algumas propriedades instintivas que humanos racionalmente não se permitem desenvolver.

Dando o nome humano para algumas atitudes dos pets, podemos começar pelo PERDÃO. Eles fazem isso com propriedade, mesmo se “escorraçados”, eles colocam acima de tudo o apreço pelos seus donos, e isso não é memória curta, não, aliás a MEMÓRIA deles também é outra dessas que eles têm como virtude, não esquecem de nada, de quem lhes trata bem, de locais que moraram, do cheiro, da voz, do toque e aí entra em cena a GRATIDÃO, isso eles fazem de um modo iluminado, agradecem e agradam ao seu modo, do seu jeito por tudo que recebem. 

A COMEMORACÃO é outra atitude pet fantástica, condição que os humanos esquecem, ah, eles não esquecem, eles comemoraram quando ganham algo, quando chega alguém, quando são levados para passear, enfim, a vida deles é uma festa.

Há quem diga que a vida deles é bem curta porque já nascem sabendo algo que os humanos às vezes passam a vida inteira e não aprendem: AMAR. Inclusive essa é uma de suas tantas missões aqui na Terra, ensinar a amar e tudo que vem depois ou junto do amor. Coisas boas como a vontade de se encontrar logo, pedir e fazer carinho, companhia, mesmo em silêncio, felicidade a cada encontro... enfim, mas também tem as difíceis, como a saudade e a elaboração do luto por terem a vida breve.

Os animais exigem responsabilidades de quem os cuida. Excelente na educação infantil, eles também obrigam a socialização dos idosos, precisam que os levem para passear, e aí não faltam encontros prazerosos.

Desconsiderar uma relação interesseira com eles é impossível, no caso da escolha de animais, a solidariedade com eles é a causa de menor incidência, tanto que muitos são escolhidos por raça ou beleza, mas o mais legal é que eles não sabem desse detalhe e cumprem seu papel direitinho.

Outra questão bem importante é o tal do amor incondicional, que nos humanos é foco de muitos estudos e que nos pets é realmente INCONDICIONAL. Quem nunca viu um cachorro companheiro de morador de rua bem feliz, ali do lado, firme, para o que der e vier?

E quem nunca viu um cachorro ou outro pet num lugar quentinho, com comida na hora, banho semanal, vacinas em dia e sem carinho?

A bem da verdade, os humanos se humanizam convivendo com animais de estimação. Isso não impõe obrigatoriedade alguma, muitas pessoas sozinhas e famílias não sentem essa necessidade, e escolhas devem ser respeitadas, todos têm seus motivos conscientes ou inconscientes para ter ou não um pet em casa, dão o que fazer, geram gastos...

Mas fica um convite à reflexão, para os que têm e para os que não têm essa companhia, temos muito a aprender com eles né?!

 

Raquel Barreto

Psicóloga

Mestre em Desenvolvimento Social

CRP 07/06977

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias do caderno

Outras edições

Carregando...