ANO: 25 | Nº: 6381

Airton Gusmão

redacaominuano@gmail.com
Pároco da Catedral
15/09/2018 Airton Gusmão (Opinião)

A Sabedoria divina é amiga do ser humano

“Se, conforme o Apóstolo Paulo, Cristo é o poder de Deus e a sabedoria de Deus, e quem ignora as Escrituras ignora o poder de Deus e sua sabedoria, ignorar as Escrituras é ignorar Cristo” (São Jerônimo).
A Bíblia é como uma carta de amor de Deus para seu povo. Como Palavra de Deus, ela é o coração e a alma da vida e da pastoral. Nela encontramos a fonte da sabedoria. Ela é o livro mais lido na história da humanidade. Todos os anos, no mês de setembro, a Igreja no Brasil oferece um tema para o aprofundamento da fé cristã em família e em comunidade. Neste ano, estamos refletindo sobre a primeira parte do Livro da Sabedoria (1,1-6,21). Esta sabedoria que faz parte da nossa vida; que é patrimônio cultural de um povo. A sabedoria não é conquistada, mas doada por Deus, a quem o sábio pede na oração (Sb 7,7; 8,21;9).
O Tema deste ano é: “Para que n’Ele nossos povos tenham vida, e o Lema: “A sabedoria é um espírito amigo do ser humano” (Sb 1,6).  Logo no início o Livro da Sabedoria apresenta a realidade da justiça (Sb 1,1). A justiça vem identificada pelo amor. Em ordem imperativa o autor exorta: Amai a justiça, que é imortal (Sb 1,15). A sabedoria é uma força que orienta, educa e impulsiona o ser humano a viver segundo a vontade de Deus, como uma realidade que se propõe a favorecer o ser humano e toda a humanidade (Sb 7,22-23).
O Livro da Sabedoria foi escrito no ano 50 a.C., destinado à comunidade judaica de Alexandria, no Egito, que sofre com a injustiça, a pobreza, o desprezo e a hostilidade social. O autor faz um resgate da tradição judaica para animar os judeus fiéis à fé de seus antepassados e, ao mesmo tempo, contém um apelo àqueles que governam a terra, para que “amem a justiça” (Sb 1,1) e procurem a Sabedoria, o espírito do Deus da vida.
O “justo” no Livro da Sabedoria é alguém que acredita em Deus e enxerga de forma social e religiosa as consequências éticas de sua fé. Por isso, vive o amor a Deus e o amor à justiça, que são atributos do próprio Deus. Os ímpios por sua vez, percebem que o justo proclama feliz a sorte final dos justos. O ímpio pensa no aqui e no agora, e vive de aparência. O justo, ao pensar na eternidade, conta com a presença, o julgamento final e a providência de Deus.
O Livro da Sabedoria quer reavivar a fé da comunidade judaica em um momento de crise. Nele encontramos um forte apelo para que as pessoas, em especial os governantes, amem a justiça e busquem a Sabedoria, entendida como fidelidade a Deus e à Lei de Deus. É a Sabedoria que age na história da humanidade desde as origens até o momento presente, e agirá em todos os tempos e lugares.
A Sabedoria se deixa encontrar por quem a busca e a vida do justo estará sempre nas mãos de Deus. Façamos a nossa parte. Sejamos alegres na esperança, fortes na tribulação, perseverantes na oração e solidários com os que sofrem.
Não esqueçamos: a partir do dia 20 do corrente mês, teremos a Novena de Nossa Senhora Conquistadora no Santuário, às 19h30min e, no dia 30, último domingo, vamos participar da 44ª Romaria de Nossa Senhora Conquistadora aqui em Bagé. Um bom final de semana a todos e até uma próxima oportunidade.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...