ANO: 25 | Nº: 6209

José Carlos Teixeira Giorgis

jgiorgis@terra.com.br
Desembargador aposentado e escritor
29/09/2018 José Carlos Teixeira Giorgis (Opinião)

Esopo, Maiakóvski e Brecht

Não sei se oportuno. Mas alguns escritores profetizam como ninguém as tenebrosas consequências que causam os atos individuais de irresponsabilidade, indiferença ou omissão. Aproveito este belo sábado para transcrever uma fábula e dois poemas, de precisão textual ingênua e aparentemente desinteressada, mas exemplos de contundentes lições.
“Era uma vez um jovem pastor que costumava levar o seu rebanho de ovelhas à serra para pastar. Como estava sozinho durante todo o dia, aborrecia-se muito. Então, pensou numa maneira de ter companhia e de se divertir um pouco. Voltou-se na direção da aldeia e gritou: "Lobo! Lobo!". Os camponeses em seu auxílio. Não gostaram da graça, mas alguns deles acabaram por ficar junto do pastor por algum tempo. O rapaz ficou tão contente que repetiu várias vezes a façanha. Alguns dias depois, um lobo saiu da floresta e atacou o rebanho. O pastorzinho pediu ajuda, gritando ainda mais alto do que costumava fazer: "Lobo! Lobo!". Como os camponeses já tinham sido enganados várias vezes, pensaram que era mais uma brincadeira e não o foram ajudar. O lobo pode encher a barriga à vontade porque ninguém o impediu. Quando regressou à aldeia, o rapaz queixou-se amargamente, mas o homem mais velho e sábio da aldeia respondeu-lhe: na boca do mentiroso, o certo é duvidoso."
- Esopo, nasceu em Nessebar, 620 a.C. e faleceu em Delfos, 564 a.C. É o autor grego a quem são atribuídas as fábulas mais populares. Nelas os animais falam. É considerado o criador deste gênero literário, de onde sempre se extrai conclusão moral.
“Na primeira noite/ Eles se aproximam/ E colhem uma flor/ Do Jardim/ E não fazemos nada/Na segunda noite/Já não se escondem/Pisam nas flores/Matam nosso cão/ E não dizemos nada/ Até um dia/O mais frágil deles/Entra sozinho em nossa casa/ Rouba-nos a luz e/Arranca-nos a voz da garganta/ E porque não dissemos nada/ Já não podemos fazer nada. “
- Vladimir Maiakóvski, nasceu em Baghdat, Geórgia, 1893; e faleceu em Moscou, 1930. É considerado o maior poeta russo moderno e um dos grandes do século XX. Dramaturgo e teórico é tido como o “poeta do futurismo” que cantou a Revolução de Outubro de 1917.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
“ Primeiro levaram os negros/ Mas não me importei com isso/ Eu não era negro/ Em seguida levaram alguns operários/ Mas não me importei com isso/ Eu também não era operário/ Depois prenderam os miseráveis/ Mas não me importei com isso/ Porque eu não sou miserável/ Depois agarraram uns desempregados/ Mas como tenho meu emprego/ Também não me importei/ Agora estão me levando/ Mas já é tarde / Como eu não me importei com ninguém/ Ninguém se importa comigo. ”
- Bertolt Brecht nasceu em Augsburg, Baviera, 1898; e faleceu de ataque cardíaco em Berlim Leste, em 1956. Foi dramaturgo, romancista e poeta, criador do teatro épico antiaristotélico.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...