ANO: 25 | Nº: 6307

José Artur Maruri

josearturmaruri@hotmail.com
Colaborador da União Espírita Bajeense bagespirita.blogspot.com.br
17/11/2018 José Artur Maruri (Opinião)

O necessário acolhimento das crianças com deficiência

No decorrer da semana tivemos a oportunidade de observar a Conferência Municipal da Criança e do Adolescente de Bagé. Daí que decidimos revisitar uma coluna publicada ainda no ano de 2014 onde já clamávamos pelo acolhimento das crianças com deficiência.
Numa época onde afloram as lutas por uma sociedade mais justa e igualitária, uma parcela da população continua a ser discriminada diariamente. E o que é pior, são discriminadas desde o nascimento e, muitas vezes, pelos próprios pais.
Falamos das crianças que nascem com alguma deficiência moderada ou profunda.
Desde o último ano o Fundo das Nações Unidas para a Infância – Unicef vem apelando para o fim das discriminações contra crianças deficientes.
Segundo dados da própria Unicef, cerca de 93 milhões de crianças, ou seja, uma em cada vinte crianças de zero a 14 anos, vive com deficiência moderada ou profunda. No entanto, o que mais agrava essa situação é a falta de dados sobre essas crianças, visto que muitas crianças deficientes vivem na invisibilidade porque seus pais deixam de proceder ao registro quando do nascimento, o que lhes impede o acesso aos serviços sociais e proteções legais que são cruciais para sua sobrevivência e panorama.
Há países que creem que ter uma criança deficiente é considerado como "má sorte", não apenas para a criança, mas para toda família.
Por outro lado, Allan Kardec em O Evangelho Segundo o Espiritismo, refere que "Jesus toma a infância como emblema de pureza e simplicidade", independentemente da criança ser deficiente ou não. Tal comparação é correta, segundo Kardec, se levarmos em conta apenas a vida presente, visto que o Espírito da criança pode ser muito antigo e ter trazido para a vida corporal as imperfeições de que se não tenha despojado em suas precedentes existências, justamente como as crianças que apresentam algum tipo de deficiência.
Apenas o Espiritismo, calcado no princípio da pluralidade das existências oferece explicação plausível para que não discriminemos uma criança que nasce com algum tipo de deficiência.
Na obra "O Que é o Espiritismo", Allan Kardec indaga da plêiade de Espíritos Superiores o seguinte: "- Por que há pessoas que nascem cegas, surdas, mudas ou afetadas por doenças incuráveis, enquanto outras têm todas as vantagens físicas? É o efeito do acaso ou da Providência?" – obtendo a seguinte resposta: "- Se é o efeito do acaso, não há Providência; se é o efeito da Providência, pergunta-se, onde está sua bondade e sua justiça? Ora, é por não entender a causa desses males que muitas pessoas são levadas a acusar Deus. (...) Admitindo-se a justiça de Deus, deve-se admitir que este efeito tem uma causa; se essa causa não pertence à vida presente, deve ser de antes dessa vida, visto que em todas as coisas a causa deve preceder o efeito; para isso faz-se, pois, necessário que a alma haja vivido e merecido uma expiação".
O importante, no entanto, é o acolhimento deste Espírito que retorna ao mundo material com um invólucro carnal deficiente. Ele necessita de reconforto, porque são nossos outros filhos do coração, que volvem das existências passadas, mendigando entendimento e carinho, a fim de que se desfaçam dos débitos contraídos consigo mesmos. Para muitos deles, o dia claro ainda vem muito longe, ainda assim, é nosso dever estender os braços através do trabalho, antes explorando suas capacidades do que suas incapacidades.
Nesse sentido, é compromisso dos governos, segundo a UNICEF, apoiar as famílias face aos altos custos com os cuidados das crianças com deficiência e programar medidas de luta contra a discriminação de deficientes.
"Enternece-te e auxilia-os, quanto possas! E, cada vez que lhes ofertes a hora de assistência ou a migalha de serviço, o leito agasalhante ou a lata de leite, a peça de roupa ou a carícia do talco, perceberás que o júbilo do Bem Eterno te envolve a alma no perfume da gratidão e na melodia da bênção". Meimei.
(Referências: Allan Kardec. O Evangelho Segundo o Espiritismo. FEB Editora. Capítulo 8. Item 3. Allan Kardec. O Que é o Espiritismo. LD Editora. Cap. 3. Item 134. Chico Xavier e Waldo Viera por Espíritos diversos. O Espírito da Verdade. FEB Editora. p. 67-68. http://www.voaportugues.com/content/unicef-relatorio-mundial-criancas/1671572.html.)

José Artur M. Maruri dos Santos
Colaborador da União Espírita Bajeense
Comente: josearturmaruri@hotmail.com

 

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...