ANO: 24 | Nº: 6185

Fernando Risch

fegrisch@gmail.com
Escritor
21/12/2018 Fernando Risch (Opinião)

Domingo é meu aniversário

Eu sei, eu sei. Você quer saber se eu recebo dois presentes ou só um. Quando eu era pequeno, no período de bajulações e mimos, eu recebia constantemente dois presentes, com a opção de uni-los em um só, grandiosamente melhor. Hoje, os entes queridos que querem me agradar entre aniversário e Natal, me jogam um punhado de dinheiro em envelopes, que eu gasto de forma irresponsável.

Sigo sem sentir o Natal. Nem o Réveillon. Nem meu aniversário, estes meus breves 29 anos. Não sinto nada. Nada mais tem graça. Vou pedir auxílio psicológico para entender onde está o problema. Fazer uma regressão ou algo assim. Não é possível que isso esteja ocorrendo comigo. A única certeza que tenho é que em dois dias comerei churrasco; em três, peru gelado; e em 10, porco ou algo assim. Tudo banhado a cerveja. Foi o que me restou. E tem a família, né? Mas eles fazem exatamente a mesma coisa, provavelmente não com o mesmo sentimento.

Talvez quando eu comprar meu primeiro presente, eu sinta algo. Estou deixando para última hora. Mas não por que sou irresponsável ou procrastinador, mas porque as circunstâncias conspiram contra mim. Então quando eu pagar a primeira quinquilharia em três vezes no crédito em uma loja qualquer, talvez aquela energia carismática em vermelho e branco, com músicas alegres e entristecedoras, luzes pulsantes em ritmos hipnóticos e aquele cheiro de dezembro, que infelizmente está suspenso temporariamente pela chuva. E como chove nessa cidade. Olhe pela janela, não estou mentindo. Está chovendo exatamente no momento em que você lê estas linhas.

Enfim, desejem-me feliz aniversário, que lhes desejarei feliz Natal. Caso queiram me dar um presente, sabem onde me encontrar. Não esqueçam: são dois.

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...