ANO: 25 | Nº: 6335

Airton Gusmão

redacaominuano@gmail.com
Pároco da Catedral
29/12/2018 Airton Gusmão (Opinião)

Olhemos para a Sagrada Família de Nazaré

“As famílias são exortadas a viver, com coragem e serenidade, os desafios familiares tristes e entusiasmantes e a guardar e meditar no coração as maravilhas de Deus. É preciso cuidar com amor da vida das famílias, porque elas não são um problema, são sobretudo uma oportunidade. O bem da família é decisivo para o futuro do mundo e da Igreja” (Exortação Apostólica Sobre o amor na família, nº 07, 30 e 31).
Neste último domingo do ano, no tempo do Natal, celebramos a festa da Sagrada Família. Como modelo de todas as famílias, a sagrada família, fiel às práticas religiosas, vai em peregrinação a Jerusalém para celebrar a Páscoa com o filho que já completara 12 anos. E, quando este se desvia da caravana, José e Maria vão à sua procura: “Teu pai e eu estávamos angustiados à tua procura. E Jesus responde: por que me procuravam? Não sabiam que eu devo estar naquilo que é de meu Pai?” (Lc 2,41-52).
São as primeiras palavras de Jesus no evangelho de Lucas. Elas têm um sentido mais profundo do que um simples relato, ou seja, Deus é o verdadeiro Pai de Jesus e a sua prioridade fundamental é realizar a missão confiada pelo Pai. Mesmo não sabendo responder, não compreendendo estas palavras do Menino Jesus, os pais as guardavam no silêncio dos seus corações. Jesus é obediente ao Pai, embora pareça desobedientes a eles. E o texto bíblico conclui: “Jesus voltou a Nazaré com seus pais e permaneceu obediente a eles, e crescia em sabedoria, em idade e em graça diante de Deus e dos homens”.
Com certeza, para o bem de todas as famílias e da humanidade, na Família de Nazaré se encontram as virtudes e os valores exemplares a serem imitados por qualquer família cristã, dentre os quais, a confiança da mãe Maria, a coragem do pai José e a obediência plena do Filho Jesus. Sobre esta realidade benfazeja, o Papa Francisco continua nos ajudando a refletir: “A aliança de amor e fidelidade, vivida pela Sagrada Família de Nazaré, ilumina o princípio que dá forma a cada família e a torna capaz de enfrentar melhor as vicissitudes da vida e da história. Sobre este fundamento, cada família, mesmo na sua fragilidade, pode tornar-se uma luz na escuridão do mundo” (Exortação Apostólica Sobre o amor na família, nº 66).
Jesus nasce no seio de uma família humana para fazer da humanidade a família de Deus. Humanizando-se, diviniza-nos; rebaixando-se, eleva-nos; esvaziando-se preenche-nos. Nossas famílias são chamadas a gerar vida, alimentar e sustentar os laços humanos e promover a solidariedade, tornando o ambiente familiar num lugar onde prevaleça a paz, o amor, o diálogo, o perdão, o respeito e a fraternidade.
Oração à Sagrada Família: “Jesus, Maria e José, em Vós contemplamos o esplendor do verdadeiro amor, a Vós, com confiança, nos dirigimos. Sagrada Família de Nazaré, tornai também as nossas famílias lugares de comunhão e cenáculo de oração, escolas autênticas do Evangelho e pequenas Igrejas domésticas. Sagrada Família de Nazaré, que nunca mais se faça, nas famílias, experiência de violência, egoísmo e divisão: quem ficou ferido ou escandalizado, depressa conheça a consolação e cura. Sagrada Família de Nazaré que cresça sempre mais a consciência do caráter sagrado e inviolável da família, a sua beleza no projeto de Deus. Jesus, Maria e José, escutai a nossa súplica. Amém”.
Façamos a nossa parte. Sejamos alegres na esperança, fortes na tribulação, perseverantes na oração e solidários com os que sofrem. Agradecemos a Deus o ano que termina e rogamos as suas bênçãos para 2019 que se avizinha. Um bom final de semana a todos, até uma próxima oportunidade e um Feliz Ano Novo a todos.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...